Brasil

Caso Daniel: Justiça nega pedido de prisão domiciliar de Cristiana Brittes

Além da juíza Luciani Regina, Ministério Público já havia se posicionado contra a prisão domiciliar

Redação iBahia (redacao@potalibahia.com.br)

Cristiana Brittes, ré no processo que investiga a morte do jogador Daniel, teve o pedido de prisão domiciliar negado pela Justiça. A solicitação foi feita alegando que ela precisava cuidar da filha de 11 anos, que está com os avós.

(Foto: Reprodução)

Na ação, a juíza Luciani Regina afirma que o crime começou a ser cometido dentro da casa da família Brittes. "O fato de os supostos crimes terem sido praticados no âmbito doméstico demonstra ser, ao menos neste momento, inadequada a submissão da criança aos cuidados da mãe".

O advogado responsável pela defesa da família, Cláudio Dalledone Júnior, se manifestou após a decisão. Ele lembrou que a juíza foi a mesma que decretou a prisão de Cristiana, Edison Brittes e Allana, filha mais velha do casal. "Agora a defesa vai buscar a liberdade via Habeas Corpus junto ao Tribunal de Justiça do Paraná", disse.

Além da juíza Luciani Regina, o Ministério Público já havia se posicionado contra a prisão domiciliar de Cristiana.