Brasil

Covid-19: em situação crítica, oxigênio acaba em hospitais de Manaus

Especialista descreve leitos como "câmeras de asfixia"

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

A cidade de Manaus, capital do Amazonas, vive situação crítica nos leitos de tratamento de pacientes com covid-19. Isso porque alguns hospitais da cidade estariam sem equipamentos de oxigênio para os pacientes que tratam a doença. As informações são da colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

O pesquisador Jesem Orellana, da Fiocruz-Amazônia, contou à colunista que recebeu diversas mensagens de profissionais da linha de frente das unidades hospitalares de Manaus. "Estão relatando efusivamente que o oxigênio acabou em instituições como o Hospital Universitário Getúlio Vargas e serviços de pronto atendimento, como o SPA José de Jesus Lins de Albuquerque. Há informações de que uma ala inteira de pacientes morreu sem ar", relata. "Acabou o oxigênio e os hospitais viraram câmaras de asfixia", resumiu o pesquisador.

Profissionais de saúde que atuam na cidade disseram que diversos pacientes devem morrer nas próximas horas por conta da falta dos equipamentos. Um deles disse que a oxigenação está sendo feita de forma manual, porém cada profissional só consegue fazê-lo por 20 minutos, no máximo, e precisa ceder o lugar para outro colega.

Ainda segundo a coluna, os pacientes estão sendo transferidos para o Piauí. Pelo menos 30 deles que estão no HUGV (Hospital Universitário Getúlio Vargas), em Manaus, serão levados para o Hospital Universitário de Teresina, no Piauí, ainda nesta quinta (14).