Brasil

Cresce a demanda por ‘top waiters’, garçons bonitões para servir em festas e eventos

Critérios variam, de acordo com a empresa

Pedro Zuazo, da Agência O Globo

Guilherme Martins mede 1,93m e malha todo dias para manter bem distribuídos seus 92kg. Marcelo França, com 1,88m, corre e joga futebol, além de fazer musculação, para deixar o corpo sarado. Thiago Freitas, que tem 1,90m, investe numa dieta rígida, associada a exercícios, para conservar o condicionamento físico. Todos têm rotina e porte de modelos, mas exercem um ofício bem diferente: são garçons. Ou top waiters, como preferem ser chamados.

A demanda por garçons bonitões em festas e eventos tem crescido. A moda pegou entre famosas, como Anitta, que causou frenesi nas redes sociais ao tirar uma foto com o barman do seu aniversário, há um mês. Para atender a esse nicho de mercado, fornecedores de staff estão criando suas tropas de elite. Os critérios variam, de acordo com a empresa. Umas exigem altura mínima, outras favorecem a prática de exercícios. Um requisito é básico: a beleza.

— Existe aquela máxima de que também se come com os olhos. Não basta os drinks serem gostosos, toda a apresentação tem que ser bem feita. Isso inclui os recursos humanos. Ninguém vai para o bar só porque o garçom é bonito, mas, em eventos, esse pode ser um diferencial na atração dos clientes — explica Diogo Carvalho, sócio-proprietário da empresa Drinkings, que fornece bartenders para todo o estado.

Foto: Divulgação
Há 22 anos no ramo, a empresária Eliana Brito, dona da Staff Eventos, começou a recrutar os top waiters há sete anos. Começou com o próprio filho, que era estudante universitário. Hoje, tem uma equipe de 40 garçons fixos, além dos que são contratados de forma avulsa.

— A qualidade do nosso bufê era boa, mas percebi que alguns garçons eram mal-educados, velhos e barrigudos. Chamei meu filho para trabalhar e, como os universitários estão sempre precisando de um trampo, ele chamou amigos. Começou assim e, hoje, além da beleza, exijo que eles sejam educados e bem articulados. Alguns são bilíngues, para atender eventos com estrangeiros — conta.

Na Staff Eventos, a altura mínima para os garçons é 1,82m. Eles passam por uma entrevista e, se contratados, podem aproveitar as parcerias da empresa com barbearias e fotógrafos. Em média, eles faturam R$ 1.800 por mês por carca de três festas por semana. Mas os valores variam de acordo com o número de eventos. Muitos pensam em seguir o ramo de modelo.

— A maioria pensa assim. Eu mesmo já fiz vários trabalhos fotográficos. É uma boa porta de entrada — conta Thiago Freitas, que entrou para a equipe da empresa enquanto cursava Economia e, depois de formado, continua trabalhando lá.

Se Anitta, que é Anitta, não resistiu a tirar uma foto com o barman, imagine o que não acontece nas festas quando a mulherada exagera nos drinks. O assédio é tão comum entre os top waiters, que eles recebem instruções de como se comportar nessas situações.
Foto: Reprodução
— Mesmo a mulherada sendo bonita e bebendo além da conta, eles não podem ultrapassar a linha. Eles recebem aula de etiqueta para se comportar na festa e se destacar, também, na educação. Não são garotos de programa, então, recebem orientações sobre como se desvencilhar dessas situações delicadas sem precisar ser grosseiro — diz Eliana.

Os garçons contam que não fazem um evento sequer sem passar por pelo menos uma situação de assédio. Em alguns casos, a situação esquenta tanto que uns precisam ajudar os outros a despistar as investidas.

— Tem umas bem tranquilas, que são aquelas brincadeiras e elogios. Outras, quando estão mais alteradas, tentam agarrar e abrir a blusa. Tem que tentar, com toda a simpatia, sair daquela situação — diverte-se o estudante de marketing Guilherme Martins.

‘Protesto’ de garçom das antigas
A novidade não é vista com bons olhos por Osvaldo Agapito. Aos 59 anos, ele segura a bandeja há 37, sendo 32 no restaurante Galeto 183, no Centro. Para ele, outros atributos são mais importantes que beleza.

— É como diz o ditado: beleza não põe a mesa. O garçom precisa ter desenvoltura para equilibrar os objetos, ser atencioso para atender várias pessoas ao mesmo tempo e entender o que o cliente fala. Com o tempo, você aprende a ler os lábios. Isso é o mais importante. É conquistar o cliente com um serviço eficiente — afirma.

Diversidade
Embora a demanda maior seja por homens, as empresas também fornecem garçonetes bonitas para festas e eventos. No caso delas, a procura maior é para eventos corporativos externos, quando a empresa precisa atrair a clientela.

— Hoje, 90% da demanda é por homens. Mas as meninas recebem o mesmo treinamento dos homens e têm requisitos semelhantes: beleza, educação e boa articulação — diz Eliana.

A diversidade também é levada em conta.

— Temos negros e brancos na equipe. O importante é ter boa apresentação para que o cliente seja, de fato, conquistado pelo serviço — diz Diogo, da Drinkings.