Brasil

Criança de 10 anos que foi estuprada pelo tio tem gravidez interrompida

Procedimento foi realizado em hospital de referência em Pernambuco; ela residia em São Mateus (ES)

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Um menina de 10 anos de idade que foi estuprada pelo tio teve a gravidez interrompida nesta segunda-feira (17). O procedimento foi realizado em hospital de referência, em Pernambuco, mas os abusos aconteciam em São Mateus (ES), cidade natal da criança. Ela estava na unidade de saúde desde domingo (16). As informações são do G1 Pernambuco.

Em nota enviada ao G1, a secretaria de saúde de Pernambuco relatou que o procedimento médico foi realizado com uma autorização judicial expedida no Espírito Santo

Ainda de acordo com o comunicado, a unidade de atendeu a criança é referência neste tipo de procedimento e no acolhimento de vítimas de abusos sexuais. O texto diz ainda que 'todos os parâmetros legais estão sendo rigidamente seguidos'.

De acordo com a apuração do G1, o procedimento terminou às 11h. O feto foi expulso, houve curetagem e a previsão de alta é entre hoje à noite ou pela manhã desta terça-feira (18).

A menina descobriu a gravidez no dia 7 de agosto quando foi ao hospital da cidade natal com fortes dores abdominais. Às autoridades, a vítima contou que foi estuprada pelo próprio tio desde quando tinha 6 anos e não denunciou o crime pois era ameaçada.

O suspeito tem 33 anos e foi indiciado pelo estupro de vulnerável e ameaça, mas até o momento está foragido.


Protestos em frente ao hospital
Este domingo (17) foi marcado por diversos manifestantes que se posicionaram contra  à interrupção da gravidez da menina que foi estuprada pelo tio. Pessoas que estavam na frente da instituição de saúde onde a criança estava internada chegaram a xingar os médicos que chegavam no local.

De acordo com o G1, a Promotoria da Infância e da Juventude de São Mateus informou que irá investigar os grupos que tentaram pressionar a avó da menina para evitar que o aborto fosse autorizado. O Ministério Público também irá investigar áudios de pessoas que estariam pressionando a família a não interromper a gravidez da criança.