Brasil

Delegado pede imagens de Maycon para apurar maus-tratos a animais

Brother afirmou ter perdido a virgindade com um animal e ter grudado bomba em rabo de gato

Patrícia Kogut, da Agência O Globo
- Atualizada em

O  delegado Maurício Mendonça, titular da 32ª DP (Taquara), encaminhou ofício à TV Globo solicitando imagens do participante do "Big Brother Brasil" Maycon para apurar acusações de maus-tratos a animais e zoofilia (praticar sexo com animais). Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio, ele também avalia a necessidade de ouvi-lo imediatamente. Ainda não foi decidido se o interrogatório acontecerá na própria casa ou se o rapaz terá que comparecer à delegacia.


Maycon é acusado ainda de intolerância religiosa, assim como Paula. A Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Rio instaurou um inquérito e, de acordo com a polícia, as "investigações estão sob sigilo". Na edição desta quinta-feira, 14, Tiago Leifert comunicou ao público que "os vídeos contendo as falas consideradas ofensivas foram enviados às autoridades competentes e estão em avaliação". Segundo ele, dependendo do parecer, a direção tomará as devidas providências.

No mês passado, Maycon contou no programa que perdeu a virgindade com um animal. Outra declaração dele rendeu até uma campanha de Tatá Werneck e Luisa Mell para eliminá-lo do reality. O participante disse: "Já viu gato? Você coloca um adesivo do lado aqui no gato e ele fica andando assim... Nunca fez isso? Já amarrou bombinha no rabo dele?". Diante da resposta negativa dos colegas, afirmou que "não tiveram infância".

Já durante a festa na madrugada do último domingo, 10, o participante, ao ver Gabriela e Rodrigo dançando juntos, garantiu ter sentido um arrepio. "Começaram a tocar umas músicas esquisitas. Eu olhei para os dois e eles estavam com um sincronismo legal. Achei legal, juro por Deus, mas aí de repente eu comecei a olhar e comecei a escutar uns negócios: 'Não faça igual a eles'", disse. Esta semana, o perfil do rapaz no Instagram, administrado pela família e por amigos, exibiu um pedido de desculpas pelas declarações.

Paula também foi criticada nas redes sociais após comentários racistas. Ao relatar a história de uma amiga esfaqueada, relembrou: "E aí eu pensei que ia chegar um faveladão lá, mas, quando eu vi, o cara era branquinho, morou não sei quanto tempo na Austrália ou no Canadá, não sei".