Brasil

Dia das Crianças 'Cringe': confira 6 brinquedos que eram tendência nos anos 90

Por conta dos valores, a maioria das crianças, que hoje é 'cringe' e tem entre 20 e 30 anos, teve contato com esses objetos

Mayra Lopes (mayra.lopes@redebahia.com.br)

Hoje se comemora o Dia das Crianças e não tem jeito, a nostagia bate e a saudade de ser criança retorna. É realmente difícil não lembrar do brinquedo preferido, dos passeios com os pais ou até daquele lanche saboroso com os amigos. 

Pensando nisso, o iBahia resolveu dar uma mãozinha para os mais 'esquecidos' e relembrar os 6 brinquedos que eram tendência nos anos 90 e 2000. Por conta dos valores, a maioria das crianças, que hoje é 'cringe' e tem entre 20 e 30 anos, teve contato com esses objetos. 

Veja a lista completa e feliz dia! 

Bichinho Virtual (Tamagotchi)
Começamos com nada mais nada menos que ele, o Tamagotchi. Até hoje, os nascidos em 1990 chamam ele assim. Era um bichinho virtual que você alimentava, cuidava, dava banho, brincava e muito mais. Era como ter um cachorro ou gato e ter a possibilidade de levar ele para qualquer lugar sem preocupar os pais. 

Aparentemente parece fácil né?! Coisa, era quando o tempo passava e você esquecia do bichinho. Que dor era quando ele morria de fome ou tristeza. O ‘reset’ era realmente sofrido porque o tamagotchi voltava bebê e todo o seu esforço era jogado fora. Realmente não tem brinquedo mais icônico que este. 

Era um bichinho virtual que você alimentava, cuidava, dava banho, brincava e muito mais (Foto: Reprodução)


Mini Game
Esse aqui era o melhor custo benefício. Nas bancas e camelôs, lá estava ele – o Mini Game. Alguns aparelhos tinham pra lá de 120 jogos de tetris. Não tinha bateria que aguentasse a rotina diária de jogadas. O game, na prática, foi um dos primeiros jogos portáteis da época e até serviu de inspiração para o Game Boy, da Nintendo, sabia?!

Não tinha bateria que aguentasse a rotina diária de jogadas (Foto: Reprodução)


Pega vareta

Já o Pega-Varetas é um verdadeiro clássico de infância. O brinquedo era simples e poderia ser encontrado em qualquer loja de brinquedos. Mas como funcionava? No pote, vinham varetas de diferentes cores e cada cor possuía uma pontuação diferente. O objetivo é coletar o máximo de varetas na rodada sem mexer em nenhuma outra. Quem somasse mais pontos no final ganhava. Muitos especialistas dizem que a atividade auxiliava no controle da paciência (mas, não era todo mundo que conseguia ficar calmo não!).


O objetivo é coletar o máximo de varetas na rodada sem mexer em nenhuma outra (Foto: Reprodução)


Aquaplay

Quem realmente nasceu nos anos 90 sabe o que é um aquaplay. Quem jogava sabe como esse danado era difícil. O brinquedo tirou muita criança do sério, mesmo tendo um objetivo simples. A ideia era acertar as argolas nos pinos dentro da água através de dois botões. Você realmente precisava de um misto de habilidade e sorte para se dar bem. Agora, quando isso acontecia, a sensação de paz era única; isso até o jogo recomeçar novamente. 


A ideia era acertar as argolas nos pinos dentro da água através de dois botões (Foto: Reprodução)


Skate de dedo
O skate em tamanho real teve uma explosão de popularidade nas décadas de 90 e 2000, mas não era todo mundo que os usava nos pés para se divertir. Isso porque surgiu o skate de dedo ou Fingerboard. O brinquedo trabalhava a coordenação motora da mão e era febre entre os meninos. Algumas meninas arriscavam também e até campeonatos foram realizados para quem era habilidoso (a) nas manobras. 

Brinquedo trabalhava e muito a coordenação motora das mãos (Foto: Reprodução)


Bate-bate
Esse aqui é realmente inesquecível! O bate-bate virou febre por trabalhar a coordenação motora das crianças da época. O objetivo principal dele era manter as bolinhas batendo uma na outra pelo máximo tempo possível. Os hematomas nas mãos e o punho eram apenas incômodos temporários diante do desafio gerado pelo brinquedo. 

O objetivo principal dele era manter as bolinhas batendo uma na outra pelo máximo tempo possível (Foto: Reprodução)