Brasil

'Ele estava trabalhando como mula. Uma mula qualificada', diz Mourão sobre sargento preso

Sob suspeita de tráfico de drogas, suboficial da Aeronáutica iria retornar no avião de Bolsonaro para o Brasil

Gustavo Maia, da Agência O Globo

O presidente em exercício Hamilton Mourão afirmou no início da tarde desta quarta-feira (26) que o segundo sargento da Aeronáutica preso na manhã de terça (25) no aeroporto de Sevilha, na Espanha, sob suspeita de tráfico de drogas, estaria no avião do presidente Jair Bolsonaro no retorno dele ao Brasil, embarcando na cidade espanhola.

— Quando tem essas viagens, vai uma tripulação que fica no meio do caminho, então quando o presidente voltasse agora do Japão, essa tripulação iria embarcar no avião dele. Então seria Sevilha — Brasil — informou Mourão a jornalistas, na saída de seu gabinete no anexo do Palácio do Planalto.

O segundo sargento foi preso com 39 quilos de cocaína divididos em 37 pacotes em sua bagagem. Questionado se considera uma falha muito grave que um militar tenha entrado com drogas em uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB), ele frisou que "não é o avião presidencial" e comentou os procedimentos segurança envolvendo um voo com o presidente.

— Inclusive, para vocês saberem, tem o tal do voo da bomba. O avião que o presidente decolou ontem decola um pouco antes, para ver se está tudo ok, ele desce e ele é lacrado. Ele só é aberto novamente quando o presidente e a equipe dele estão para embarcar. Então esse é o avião presidencial — declarou Mourão. — O outro, o VC2, leva o pessoal de apoio, o tal do escalão avançado, e é onde estava esse camarada.

Ele confirmou que o militar, cuja identidade não foi revelada pela Aeronáutica até o momento, era "sargento taifeiro", função equivalente à de um comissário de voo, que presta serviços de bordo em aeronave.


Assim como havia feito em entrevista mais cedo à Rádio Gaúcha, o presidente em exercício afirmou que a questão do tráfico de drogas atinge a sociedade como um todo e que as Forças Armadas "não são um grupamento que vieram de Marte".

— Eles pertencem aqui à nossa população e estão sujeitos seja para o consumo seja para o tráfico — declarou.

Mourão também disse que "é óbvio que, pela quantidade de droga que o cara tava levando, ele não comprou na esquina e levou, né?".

— Ele estava trabalhando como mula. Uma mula qualificada, vamos colocar assim — afirmou o presidente em exercício.