Brasil

Em conversas via web, adolescente morta a facadas contou aos amigos que o pai a abusava

Pai assassinou a filha após conseguiu o direito de recorrer em liberdade. Ele foi acusado por um crime de estupro cometido em 2010

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)


A adolescente Letícia Tanzi Lucas, de 13 anos, morta a facadas pelo pai no dia 03 de outubro, contou aos amigos através de mensagens por Whatsapp que estava aliviada pela prisão dele. Ela contou ainda que o pai, além de abusa-la sexualmente, também havia estuprado a sua tia na frente dela quando ela tinha apenas quatro anos. As informações são do G1 Sorocaba e Jundiaí.

(Foto: Reprodução/Facebook)
Horácio Lucas Nazareno cumpria pena por estupro cometido em 2010, mas conseguiu recorrer e conseguiu o direito de recorrer em liberdade. Após sair a prisão, ele foi até a casa da ex-mulher, discutiu com ela e tentou esgana-la. O crime aconteceu na cidade de São Roque (SP).

Ela conseguiu fugir para pedir ajuda ao vizinho e, neste momento, o pai matou
a filha a facada. Ele já havia abusado sexualmente a filha diversas vezes desde 2017. Horário está foragido há quase 15 dias.

Em conversas de Whatsapp registrada no celular de Letícia, divulgada com exclusividade pelo G1, a adolescente contou a uma amiga, em áudio, que o pai estuprou a tia em 2010 na sua frente. Na época ela tinha apenas quatro anos de idade.

"Cara, eu tinha quatro anos e eu vi tudo, ele fez na minha frente, na minha frente, cara. Eu tenho um ódio gigantesco dele por outros motivos também, mas enfim, isso não vem ao caso."

Ela também revela que ficou aliviada com a prisão do pai. "E tipo, a minha mãe me ligou de madrugada contando [sobre a prisão], falando, e eu fiquei, tipo ‘mano, eu não acredito!’. Tipo, na hora foi meio que um choque, mas, ao mesmo tempo, um alívio."
Foto: Reprodução/Arquivo pessoal
Em seguida, ainda durante a conversa, ela revela estar desesperada com o fato
da mãe ter pagado um advogado para tirar o pai da prisão.

"Mas, enfim, mano, mano, mano, minha mãe vai ter que gastar R$ 11 mil pra tirar ele de lá. Eu não quero que ele saia, eu não quero. Por mim, ele que fique lá. Mas sei lá, não sei, não sei. Por que, tipo, não sei se ele vai sair, porque vai ser um processo bem demorado, é capaz dele ficar alguns anos lá e, sei lá, eu sinceramente não quero morar mais em casa se ele voltar."

Mesmo esperançosa, aconteceu o contrário do que Letícia previa. O pai foi solto após três meses de detenção.

Em outra conversa, ela conta para uma amiga que era estuprada pelo pai desde 2017 e que a mãe desconhecida os abusos. Em outra troca de mensagens com um amigo, que parece ter conhecido Horário, ele afirma que o suspeito é 'gente boa'.
Foto: Reprodução/Arquivo pessoal
Em seguida, a vítima chamou o pai de 'pedófilo' e explicou tudo o que tinha acontecido com ela e o motivo dela tê-lo denunciado por estupro. Em outra conversa, ela relata que estava em paz após a prisão do pai, pois ele chegava em casa bêbado, batia na mãe e quebrava tudo.
Foto: Reprodução/Arquivo pessoal