Brasil

Em nota, Neymar nega 'armadilha' e diz que ex-advogado da mulher propôs reunião

Defesa do jogador divulga troca de mensagens e fala em pedido de 'cala boca'

Agência O Globo

A defesa de Neymar repudiou, nesta quarta-feira, a declaração dos sócios do escritório Fernandes e Abreu, que, na véspera, classificaram como uma "armadilha" a reunião em que o ex-defensor da mulher, José Edgard da Cunha Bueno Filho, e representantes do jogador teriam discutido uma reparação financeira à suposta agressão do dia 15 de maio, em Paris. No dia 31, ela denunciou o atacante por estupro.

Por meio de uma nota oficial, a assessoria jurídica de Neymar alegou que foi o próprio José Edgard quem solicitou a reunião. Nela, segundo o texto, o advogado teria apresentado "um inaceitável pedido de 'cala boca', prontamente rejeitado".

Para corroborar a nova versão, a assessoria divulgou um print do que seria a primeira conversa entre José Edgard e Neymar Pai, através de um aplicativo de troca de mensagens. Na imagem compartilhada, que seria do dia 29/5, o advogado combina o encontro em um endereço sugerido pelo pai do jogador.

Ainda segundo a nota da assessoria jurídica de Neymar, o "pedido de dinheiro" teria sido presenciado "não por uma, mas por três testemunhas". E que o fato já foi comunicado à polícia.

Na terça-feira, Francis Ted Fernandes, outro sócio do escritório Fernandes e Abreu, tratou a reunião como uma armadilha para a criação de um álibi de extorsão:


— O que houve não foi extorsão. O que o pai do Neymar chama de extorsão foi um encontro chamado por ele, que criou uma armadilha. Ele montou uma cena para parecer extorsão. Ele sabia a gravidade do que tinha acontecido.