Brasil

Enem 2018: veja uma 'redação modelo' com o tema deste ano

Carolina Pavanelli, do Eleva Educação, escreveu texto sobre a manipulação do comportamento dos usuários na internet

Agência O Globo


O tema da redação do Enem em 2018 foi 'Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet'. A professora Carolina Pavanelli, do Eleva Educação, escreveu uma redação que poderia se aproximar da nota 1000.

Confira abaixo:

Grandes olhos


A vida imita a arte, ou a arte imita a vida? Uma discussão desse tipo pode perdurar por muitas horas, mas a verdade é que, em diversas ocasiões, a arte consegue fazer um retrato tão certeiro (e obscuro) das nossas realidades e possibilidades que o mínimo esperado é o estado de alerta. No romance “1984”, George Orwell narra um mundo em guerra perpétua, que vive em constante vigilância pública e histórica por parte do governo. Os olhos do “Grande Irmão” tudo controlam — sempre em nome da segurança. Corta para 2018. O controle de dados na internet usa as lentes do Big Brother para tudo manipular, de comportamentos a decisões. É preciso estar alerta para a potencialidade do consumismo e do comprometimento da liberdade de expressão.

Em primeiro lugar, deve-se ter atenção à indução ao consumo desenfreado e, por vezes, desnecessário. É cada vez menos espantoso perceber que, pouco tempo depois de procurar despretensiosamente determinado item on-line — seja uma viagem ou um produto, por exemplo —, diversas propagandas desse mesmo elemento começam a aparecer nos cantos da tela. O já escancarado algoritmo oferece oportunidades ao usuário, mas também o induz a comprar de forma desenfreada não só aquele item, mas outros parecidos, o que é extremamente prejudicial.

O consumismo não é culpa do controle de dados, mas se beneficia dele. Além disso, é alarmante a possibilidade de comprometimento da segurança e do possível cerceamento da liberdade de expressão como consequência. A maior rede social do mundo, o Facebook, se envolveu recentemente em um grande escândalo sobre a liberação de dados de mais de 80 milhões de usuários de maneira imprópria para a Cambridge Analytica. Isso revoltou a população, que sentiu que sua privacidade estava sendo invadida com esse processo, e despertou a discussão sobre o quão seguros estamos na rede. Afinal, em um mundo no qual contas de Instagram misteriosamente são deletadas, como confiar que se pode ter liberdade de expressão na internet, na qual tanto o governo quanto corporações podem ter acesso aos dados de qualquer um, sem sofrer algum tipo de retaliação? Comportamentos são, sem dúvidas, afetados.

Portanto, fica claro que existe a manipulação dos usuários via controle de dados na internet. Nesse sentido, é papel das escolas promover a educação digital dos jovens, por meio de palestras e aulas no currículo regular, a fim de garantir que eles consigam, ao longo da vida, não cair em armadilhas furtivas de compras on-line desnecessárias. Além disso, o governo deve ter uma atitude ativa na manutenção da segurança na rede dos seus cidadãos, com punições efetivas de empresas que a comprometem, a fim de garantir um dos princípios básicos da democracia: a liberdade de expressão. Só assim será possível minimizar os efeitos do futuro distópico proposto por Orwell, e os grandes olhos em constante vigilância não serão voltados contra a sociedade, mas trabalharão em benefício dela.

* Professora de redação do Eleva Educação