Brasil

'Era uma pessoa tranquila', diz colega do acusado de esfaquear Bolsonaro

Adélio Bispo de Oliveira foi preso depois de ferir presidenciável em Juiz de Fora

Patrik Camporez, da Agência O Globo

Moradores da cidade de MontesClaros, interior de Minas Gerais, se dizem “surpresos” com a informação de que Adélio Bispo de Oliveira, 40 anos, que morou e trabalhou no município, foi preso acusado de ter esfaqueado o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, na tarde desta quinta-feira, durante ato de campanha na cidade de Juiz de Fora, também no interior mineiro. Montes Claros é uma cidade de 400 mil habitantes localizada no Norte de Minas Gerais. O local onde o suspeito morou era uma residência simples, no bairro Maracanã.

Foto: Reprodução
O GLOBO entrevistou por telefone dois funcionários de um hotel onde Adélio trabalhou como recepcionista, na rua Pires e Albuquerque, Centro de Montes Claros. Sob condição de anonimato, os funcionários contaram que o suspeito de 40 anos atuou no estabelecimento e aparentava ser uma "pessoa tranquila".

Segundo esses funcionários, muitas pessoas conhecem Adélio na cidade. O suspeito do ataque a Bolsonaro teria trabalhado em outras empresas na região central da cidade. Em 2012, Adélio trabalhou no hotel e, segundo os colegas, pouco falava em política e “não aparentava nenhum perigo”.

— Era muito tranquilo, educado, calado. Uma pessoa aparentemente normal. Mas o tempo passa, pode ser que ele se transformou — completa.

Adélio atuou no hotel durante um período de experiência, mas não se adaptou ao horário para o qual foi contratado.

— As pessoas estão vendo a foto dele na televisão e reconhecendo. Está todo mundo espantado. Fazia um tempo que não o via e estou vendo pela tevê. Está sendo uma surpresa para todos. Ele passou pela recepção, mas não adaptou por causa do horário, que era à noite e de madrugada. Foi uma passagem relâmpago. Eu chegava e ele ia embora — afirma um recepcionista de 42 anos que até hoje atua na empresa.