Brasil

Evangélicos da Câmara articulam para derrubar decreto de armas de Bolsonaro

Oposição também deseja derrubar a medida implementada pelo presidente da República

Bruno Góes e Natália Portinari, da Agência O Globo

Deputados da bancada evangélica da Câmara articulam para tentar derrubar o decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro que flexibiliza o porte armas . A liberação do uso de armamentos é umas das principais discordâncias dos religiosos no Legislativo em relação ao atual governo. Com a força de 195 deputados inscritos, o grupo foi fundamental para a eleição de Bolsonaro .

PSOL, PT e Rede já apresentaram projetos de decretos legislativos que pedem a revogação integral da medida. Os deputados evangélicos, porém, não querem apoiar as iniciativas de partidos de esquerda, e sim apresentar um projeto próprio, se for o caso.

— Estou conversando com vários deputados, e já temos vários que vão apoiar sim o decreto legislativo, desde que não seja apresentado por partidos de esquerda. Não apoiamos nada do PT. Se for do PT não terá nosso apoio — disse Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), ligado à Assembleia de Deus Vitória em Cristo, igreja liderada pelo pastor Silas Malafaia.

A bancada ainda não deliberou formalmente sobre o tema. Um vice-líder do governo, porém, avalia que com a força dos evangélicos a derrubada do decreto é um risco real para o Planalto. Outro vice-líder ouvido pelo GLOBO diz que os evangélicos estão descontentes com a iniciativa do governo de tributar igrejas. A retaliação também seria uma forma de "demonstrar força" dos religiosos, que se sentem excluídos da composição do Executivo desde a eleição.

Depois de ter negado que o governo poderia criar um tributo que taxará igrejas, o presidente Jair Bolsonaro admitiu para lideranças evangélicas que o tema vai ser estudado, segundo a coluna de Bela Megale.

– O presidente disse que vai fazer um grupo de estudo em profundidade para avaliar isso tudo. Ele disse: "Acho que tudo que mexe com tributação de igreja é importante, vou fazer um estudo para avaliar isso" — disse o bispo Robson Rodovalho, fundador da Sara Nossa Terra

Presidente da bancada da bala, o deputado Capitão Augusto (PR-SP) não gostou da iniciativa da bancada evangélica. — Aí é fogo amigo — disse ele.