Brasil

Ex-funcionário da Globo e amigo afirmam que vazaram vídeo de Waack

Os dois dizem que intenção era debater racismo e que fala de Waack ofendeu

Redação Correio 24h
- Atualizada em
Foto: Reprodução/Acervo
Dois jovens admitiram terem vazado o vídeo em que William Waack se prepara para uma passagem durante a cobertura da eleição de Donald Trump, no ano passado. Ele aparece reclamando de um motorista que buzina, afirmando que "é coisa de preto".  Ele foi afastado do Jornal da Globo depois do vazamento. O operador de VT Diego Rocha Pereira, 28 anos, e o designer gráfico Robson Cordeiro Ramos, 29, afirmaram à Jovem Pan que foram eles os responsáveis por divulgar as imagens.

Ex-funcionário da Rede Globo, Diego diz que a equipe de link externo estava se preparando para a entrada de Waack com um consultor - mesmo quando a imagem não está sendo transmitida, os operadores têm acesso a ela. “Tudo aconteceu enquanto a produção estava colocando o microfone nele”, explica Diego. “Eu ainda voltei as imagens para ter certeza, não estava acreditando que ele teria falado aquilo. Fiquei tão revoltado que filmei com meu celular”, diz.

Quem divulgou o vídeo foi Robson.  “Soltei o vídeo em um grupo de líderes do movimento negro”, conta, garantindo que a intenção não era necessariamente atingir Waack. “Mas não foi premeditado essa repercussão, a ideia era mostrar para os amigos que um jornalista influente como ele também poderia ser racista”, afirma.

Segundo os dois, eles já tinham mostrado o vídeo para algumas pessoas da imprensa, mas não houve interesse.  “Chegamos a ouvir, ‘se não é do William Bonner’, não interessa”, conta Ramos. Diego conta que chegou a perder o vídeo, mas acabou recuperando. “O vídeo original ficou em um celular que perdi durante o Carnaval. Mas o Robson tinha ele em um backup, quando foi atualizar o telefone recentemente, o vídeo apareceu”,

Comentário preconceituoso

Os dois amigos afirmam que se ofenderam com o comentário de Waack e dizem que esse tipo de fala parece ser comum para o jornalista. “Ele faz o comentário de graça, tá tudo normal no estúdio, e ele fala de graça”, diz Diego. "Eu me revolto porque ele trabalha com milhões de negros dentro da Globo. Ele é o âncora, ele traz a informação, mas em volta dele tem um monte de negros trabalhando. Fico imaginando como ele é fora da câmera”, acrescenta o amigo.

Eles acham que a punição a Waack pode ter uma repercussão positiva na sociedade.  “As pessoas vão pensar: ‘olha o que aconteceu com ele, se eu tiver a mesma atitude, acontecerá comigo também'”, acredita Ramos. Diego reclama que no cenário da fala de Waack, não houve nenhuma repreensão dos presentes. "Ali estava cheio de gente, tinha coordenador, diretor de imagem, o próprio entrevistado poderia ter reclamado da ‘piadinha", afirma.

Afastamento

A Globo afirmou que a princípio o jornalista está afastado até que "a situação esteja esclarecida" e que a partir de amanhã vai discutir as implicações a longo prazo. Diz ainda que é "visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações". O próprio Waack ainda não veio a público para comentar o caso, mas segundo a nota da Globo ele "afirma não se lembrar do que disse, já que o áudio não tem clareza", mas pede desculpas a quem se sentiu ofendido.

Além do afastamento do Jornal da Globo, o "Painel", programa de Waack na Globonews, foi cancelado. O programa era apresentado desde o ano 2000 por Waack. Ele tinha acabado de ser reformulado e já tinha sido gravado em cenário novo. Não há previsão sobre se a atração vai voltar ao ar com outro apresentador. No "Painel", Waack recebia convidados e especialistas em várias áreas para debater assuntos atuais.

A hashtag #WilliamWaack foi para o segundo lugar entre os assuntos mais comentados do Twitter no Brasil na tarde de hoje por conta do vídeo. "Quem trabalha na Globo e decidiu vazar esse vídeo do William Waack tem nossa eterna gratidão", comentou um usuário do Twitter. "Vazou um vídeo do William Waack sendo racista. Eu não deveria estar chocada, mas estou", comentou outra internauta.

Leia a nota divulgada pela Globo:

"Globo é visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações. Nenhuma circunstância pode servir de atenuante. Diante disso, a Globo está afastando o apresentador William Waack de suas funções em decorrência do vídeo que passou hoje a circular na internet, até que a situação esteja esclarecida.

Nele, minutos antes de ir ao ar num vivo durante a cobertura das eleições americanas do ano passado, alguém na rua dispara a buzina e, Waack, contrariado, faz comentários, ao que tudo indica, de cunho racista. Waack afirma não se lembrar do que disse, já que o áudio não tem clareza, mas pede sinceras desculpas àqueles que se sentiram ultrajados pela situação.

William Waack é um dos mais respeitados profissionais brasileiros, com um extenso currículo de serviços ao jornalismo. A Globo, a partir de amanhã, iniciará conversas com ele para decidir como se desenrolarão os próximos passos"