Brasil

Famosos defendem a criminalização da homofobia: 'Liberdade de amar'

A atriz Bruna Marquezine também escreveu as hashtags e justificou seu apoio

Agência O Globo
Diversos artistas usam suas redes sociais para manifestar apoio à criminalização da homofobia, que está na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira. O ator Lázaro Ramos, por exemplo, resumiu sua posição sobre o tema escrevendo que "garantir direitos do outro, sem tirar direitos de ninguém, só ofende quem não sabe o que é direito, ou o que é o outro".
Foto: Reprodução
O julgamento de dois processos sobre essa temática começou nesta quarta-feira (13) e prosseguirá a partir das 14h desta quinta-feira, com os votos dos relatores.
A atriz Taís Araujo, que casada com Lázaro, também deixou claro que defende a criminalização da homofobia. Ela frisou que o Brasil é "o país que mais mata LGBTs no mundo" e que agora tem "a oportunidade de combater essa violência".
"O STF vai julgar a criminalização da homofobia e da transfobia no Brasil. Pela dignidade e pela vida de tantos brasileiros e brasileiras, #CriminalizaSTF! #ÉCrimeSim", afirmou Taís.
A apresentadora Eliana Michaelichen ressaltou a mesma estatística e ainda afirmou que "criminalizar a homofobia vai além de fazer o que é certo - é ajudar a salvar vidas".
A modelo Gisele Bündchen, assim como aproximamente outros 18 mil usuários da rede social, usou a hashtag #criminalizastf para se manifestar. No Instagram, esse termo vem sendo um dos mais usados pelos internautas, assim como #écrimesim, postada cerca de 13 mil vezes.
A atriz Bruna Marquezine também escreveu as hashtags e justificou seu apoio, frisando que a homofobia deve ser criminalizada "pela LIBERDADE de AMAR e de SER". E completou: "Pela VIDA".
A cantora Iza foi mais sucinta, mas nem por isso menos eficaz. Em seu post, deixou a pergunta: "É crime sim ou com certeza?".
Para Ivete Sangalo, "aprovar uma lei específica para a criminalização da homofobia é urgente e necessária para o nosso país!".
E Claudia Leitte pediu a seus seguidores que também se manifestem pelas redes sociais. Em seguida, replicou informações sobre o tema retiradas de uma notícia.
Outros artistas que pediram ao STF a aprovação da criminalização da homofobia foram a atriz Giovanna Ewbank e a cantora Pabllo Vittar. Ambas utilizaram hashtags as #criminalizastf #écrimesim.
Visualizar esta foto no Instagram.

É crime sim ou com certeza? #criminalizastf

Uma publicação compartilhada por IZA (@iza) em

Visualizar esta foto no Instagram.

Se você apoia a criminalização da HOMOFOBIA se manifeste na sua rede social hoje !! ”Nesta quarta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar se a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero deve ser considerada crime. Hoje, a homofobia e a transfobia não estão na legislação penal brasileira, ao contrário de outros tipos de preconceito, como por cor, raça, religião e procedência nacional. Uma das principais reivindicações de militantes LGBTQI+ no país, ela chegou à Corte por meio de duas ações, movidas pela Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transgêneros e Intersexos (ABGLT) e o Partido Popular Socialista (PPS), em 2012 e 2013, respectivamente.” ( fonte BBCNEWS)

Uma publicação compartilhada por Claudia Leitte (@claudialeitte) em

Visualizar esta foto no Instagram.

// #criminalizastf #écrimesim ????️‍????✨

Uma publicação compartilhada por Pabllo Vittar ✨???? (@pabllovittar) em