Brasil

Fotógrafa encontra jacaré na cozinha de casa: ‘achei que era um boneco’

Ela contou que o jacaré ficou parado, não estava agressivo e ainda deu um nome para o animal, 'Tody, o Jacaré'

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Na noite desta terça-feira (3), a fotógrafa Mara Rejane encontrou um jacaré com cerca de 1,5 metro na cozinha de casa. O caso aconteceu em Rio Branco, no Acre. Em entrevista ao G1 Acre, a fotógrafa contou que achou que era um "boneco".

Foto: reprodução
“Eu tinha ido um pouco antes lá na cozinha e não tinha visto nada. Até que meu marido, por volta das 8h da noite, foi lá, viu, e me chamou. Ele [jacaré] estava imóvel, parecia um boneco. No primeiro momento nem fui perto, mas achei que fosse um boneco, uma brincadeira”, disse Mara Rejane ao G1.

A fotógrafa compartilhou toda a situação em seu perfil no Instagram, do momento em que encontrou o animal até a retirada. Ela contou que o jacaré ficou parado, não estava agressivo e ainda deu um nome para o jacaré, 'Tody, o Jacaré'.

Resgate

De acordo com o G1 AC, Mara contou com a ajuda de um vizinho, que é policial e possuía as técnicas necessárias, para resgatar o animal sem machucá-lo.
Foto: reprodução
“Meu vizinho veio, pegaram uma corda, foi quando ele ficou mais aperreado, mas em nenhum momento o bicho estava agressivo. Ele era muito grande, acredito que tinha mais de um metro. Depois que ele foi imobilizado, colocamos ele em uma caminhonete e levamos de novo para o igarapé, que deve ser de onde ele deve ter saído”, relatou Mara.

O G1 AC entrou em contato com o major do Corpo de Bombeiros Cláudio Falcão, que explicou que não vê erros no resgate, mas orientou que é sempre bom acionar os bombeiros em uma situação como essa.

“Nada a criticar com a ação de resgate. Foi bom que resgatou, porque oferece um certo risco, mas ele interpreta que nós o ameaçamos, o animal só ataca para se defender. Agora a soltura sempre procuramos um local mais distante das casas para que o animal fique em segurança e as pessoas também. Mesmo assim, aconselhamos ter sempre o acompanhamento dos bombeiros”, orienta.