Brasil

Funcionário de empresa de colchões morre esmagado por pilhas de madeiras: 'corpo dobrou'

"Tinham duas pilhas a mais de três metros de altura, caiu em cima dele, o corpo dele dobrou", contou colega de trabalho do rapaz

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
Na manhã desta quinta-feira (7), um funcionário da Ortobom de 40 anos, identificado como Deivid Vieira da Silva, morreu após ser atingido por duas pilhas de madeira na fábrica da empresa, que fica localizada em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Os bombeiros do quartel de Nova Iguaçu chegaram a ser chamados na fábrica, às 7h13, mas Deivid morreu na hora. 
De acordo com informações do 'O Dia', Deivid estava acompanhando o transporte do material em uma empilhadeira quando ele despencou de uma altura de cerca de três metros, sendo esmagado pelas pilhas que têm cerca de 250 chapas de madeira cada. 
"Tinham duas pilhas a mais de três metros de altura, caiu em cima dele, o corpo dele dobrou. Aqui não tem enfermeiro, não tem segurança nenhuma. Retiramos as pilhas de cima dele, tentamos salvá-lo, mas ele não tinha mais pulsação. Ele dava a vida pela empresa", afirmou um colega de trabalho de Deivid ao 'O Dia'. 
Foto: reprodução
Segundo 'O Dia', os funcionários da empresa reclamaram das condições de trabalho. "Parece um trabalho escravo, onde tudo é mal armazenado, uma negligência total. Era uma tragédia anunciada", disse um deles. 
"A gente trabalha em condições deploráveis, sem segurança, sem EPI (equipamento de produção individual), sem uniforme, demoramos para receber, eu mesmo estou com a roupa de casa", detalhou o colega de Deivid. 

O funcionário também revelou que essa não foi a primeira morte por acidente de trabalho na Ortobom. Antes de Deivid, outros funcionários morreram, um sofreu uma parada cardíaca e outro foi atingido por uma caixa de molas usadas para montar camas.  

A Polícia Civil foi acionada para a fábrica após a morte e realiza um trabalho de perícia no local. 
Em contato com 'O Dia', a Ortobom afirmou que lamenta o ocorrido e que está prestando assistência à família e colaborando com as autoridades. Co relação as denúncias, eles garantiram que seguem a legislação vigente e faz treinamentos periódicos.
Deivid era casado e tinha três filhos. 
Confira nota da Ortobom na íntegra:
"A Ortobom lamenta o fato ocorrido, está prestando toda a assistência à família e colabora com as autoridades competentes para esclarecimento do ocorrido. A empresa possui profissionais especializados em segurança de trabalho e cumpre com todas as normas da legislação vigente. Periodicamente realiza treinamentos específicos com os colaboradores de cada setor, a fim de instruir e orientar na conduta adequada, tais como utilização do EPI (equipamento de proteção individual), EPCs (equipamentos de proteção coletiva), bem como condutas para a prevenção de acidentes. Imediatamente a empresa liberou os funcionários e suspendeu as atividades do dia."