Brasil

Governo brasileiro decide rejeitar ajuda de US$ 20 milhões do G7 para a Amazônia

Anúncio da oferta de dinheiro foi do presidente francês, Emmanuel Macron, com quem Bolsonaro vem trocando farpas

Jussara Soares, da Agência O Globo
O Palácio do Planalto confirmou na noite desta segunda-feira que o governo Jair Bolsonarovai rejeitar a oferta de US$ 20 milhões dos países do G7 para ajudar no combate às queimadas na Amazônia. A informação sobre a recusa é da Secretaria de Comunicação Social (Secom).
O anúncio da oferta de dinheiro foi do presidente francês, Emmanuel Macron, com quem Bolsonaro vem trocando farpas desde a semana passada. Ao longo do dia, interlocutores do presidente já tinham afirmado que se a oferta feita pelos países ricos fosse condicionada a alguma contrapartida ou exigisse um monitoramento na aplicação de recursos a tendência era pela recusa. No anúncio feito por Macron, parte dos recursos, destinados ao reflorestamento, estava vinculada a um trabalho com ONGs .
No final da tarde desta segunda-feira, após uma reunião no Ministério da Defesa entre Bolsonaro e alguns de seus ministros, o porta-voz Otávio do Rêgo Barros disse que decisão caberia ao Ministério das Relações Exteriores. Pouco depois, em publicação nas redes sociais, o chanceler Ernesto Araújo — que também participou da reunião — sinalizou que o governo poderia não aceitar a oferta anunciada pelo presidente francês.
Segundo o ministro, "está muito evidente o esforço, por parte de algumas correntes políticas, de extrapolar questões ambientais reais transformando-as numa 'crise' fabricada, como pretexto para introduzir mecanismos de controle externo da Amazônia".
"O Brasil não aceitará nenhuma iniciativa que implique relativizar a soberania sobre o seu território, qualquer que seja o pretexto e qualquer que seja a roupagem", escreveu o Araújo.
O governo brasileiro avaliou que o presidente francês, Emmanuel Macron, fracassou ao tentar responsabilizar o Brasil pelas queimadas na Floresta Amazônia , durante a reunião dos países do G7 em Biarritz, na França.
Segundo fontes próximas ao presidente Jair Bolsonaro, a partir dessa "vitória" sobre Macron, o Palácio do Planalto e o Itamaraty trabalham, agora, em três frentes: aceitar apenas a ajuda dos vizinhos sul-americanos e de Israel; lançar um grupo de trabalho com os Estados Unidos , para que seja construída uma proposta de política ambiental conjunta; e adotar ações mais "drásticas", para mitigar os efeitos dos incêndios no Norte do país.