Brasil

Homem é preso suspeito de matar menina de 5 anos: 'Dava facada nela e ria'

Moabe Edon contou para os policiais que cometeu o crime a mando de uma entidade

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Na manhã desta quarta-feira (30), um homem de 25 anos, identificado como Moabe Edon Pinto Nogueira Souto, foi preso suspeito de matar uma criança de cinco anos com facas na porta de uma escola. O caso aconteceu em  Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com informações do G1 Minas Gerais, Moabe Edon contou para os policiais que cometeu o crime a mando de uma entidade, que ouviu uma voz ordenando o assassinato e estava fazendo um pacto com o diabo.

No momento do crime, a menina estava acompanhada do irmão e da babá, que tentou defendê-los, indo para escola (Centro Infantil Municipal Silvina Júlia de Carvalho).

Foto: reprodução
Em entrevista ao G1 MG, a babá da menina, Brenda Souza de Andrade, contou como aconteceu o crime. “Assim que eu passei a esquina da Neuza Dutra, ele deu a primeira facada nela. Ela foi e caiu segurando a minha mão. Eu falei para o irmão dela: ‘corre’. Ele [Moabe] só dava facada nela e ria, dava risadas”.

Segundo informações da Polícia Militar ao G1 MG, não há qualquer relação entre o suspeito e a família da criança. A mãe do suspeito contou que ele tem esquizofrenia.

Moabe Edon Pinto Nogueira Souto estava usando tornozeleira eletrônica, era usuário de drogas e tinha passagens pela polícia por porte de drogas e tráfico. Ainda de acordo com o G1 MG, ele havia saído da prisão há dois meses, mas, segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), não era mais monitorado pela Justiça.

"Houve um fato na parte interna do presídio em que ele mostrou muita risada, da mesma forma que foi feito hoje quando ele praticou o crime. Isso chamou a atenção dos detentos que estavam na mesma cela", explicou o major da PM Paulo Roberto ao G1.



Major Paulo Roberto explicou ao G1 MG ainda que a mãe do suspeito disse que ele estava sendo medicado. "A mãe relata que houve o agendamento de uma consulta e o médico psiquiatra constatou que a medicação não estava sendo suficiente. Estava levando o autor a ter surtos demorados, a agir de forma mais agressiva com os familiares, dentro de casa".

O crime será investigado pela Delegacia Especializada de Homicídios de Betim.