Brasil

Homem que matou cinco em catedral de Campinas planejava ataque desde 2008, diz polícia

Segundo investigadores, pistola utilizada no crime deve ter sido comprada no exterior

Tiago Aguiar, de Agência O Globo
A Polícia Civil informou nesta sexta-feira que Euler Grandolpho, o atirador que matou cinco pessoas na Catedral Metropolitana de Campinas no último dia 11 e depois se suicidou, planejava cometer o crime pelo menos desde 2008. Os investigadores também anunciaram que descobriram que ele possuía a pistola usada no crime, sem registro no Brasil, havia pelo menos dois anos.
Foram revelados novos trechos do diário de Euler, apreendido na casa em que ele vivia com o pai. Em 10 de setembro de 2016, ele escreveu que já planejava o crime havia anos: "A chacina está programada desde fim de 2008 quando tinha (eu) mais consciência dos valores e me perguntava: 'o que estas aberrações estão fazendo?’”, diz trecho do diário.
Em outra passagem, o atirador diz: "Sei q posso voltar ao mercado de trabalho com um pouco de dedicação aos estudos. Porém, a necessidade da punição (massacre) é maior e mais importante do que a própria vida." Euler era analista de sistemas e chegou a trabalhar entre 2012 e 2014 no Ministério Público de São Paulo , após passar em um concurso.
Em coletiva de imprensa na tarde desta sexta-feira, o delegado José Henrique Ventura, diretor do Deinter-2, diz que tem convicção de que Euler planejou o atentado sozinho e que está claro que o atirador queria chamar a atenção do Estado para as perseguições que ele achava que sofria.
Em outro trecho do diário, Euler diz: "Se vcs conseguirem descobrir quem é que fica fazendo 'os ruídos' no meu quarto, já será uma grande coisa".
A polícia também encontrou fotos tiradas por Euler. Em uma delas ele segura a arma, simulando que vai atirar. Em outra, ele escreveu a palavra "pizza" com dezenas de cartuchos.
Os policiais conseguiram descobrir a numeração da pistola usada no ataque, que estava raspada. Como o número não está registrado no Brasil, reforça a tese de que o armamento, uma pistola 9mm, foi comprado em outro país, como o Paraguai.
No último dia 11, Euler invadiu a catedral de Campinas pouco depois do fim de uma missa e deu dezenas de disparos contra fiéis no encerramento de uma missa. Quatro pessoas foram mortas na hora e um senhor de 84 anos morreu no hospital.
Policiais militares que estavam fazendo ronda no entorno da igreja, ouviram os disparos e entraram no local. Eles acertaram um tiro em Euler. Ferido, ele atirou contra a própria cabeça e se matou.
Segundo a polícia, o atirador fez tratamento contra depressão e a família temia que ele cometesse suicídio. Ele não tinha antecedentes criminais.