Brasil

Incêndio de grandes proporções atinge fábrica da EMS no interior de São Paulo

Farmacêutica é a maior produtora de medicamentos genéricos do país. Não há registro de feridos

Tiago Dantas, de Agência O Globo
Um incêndio de grandes proporções atingiu a fábrica da farmacêutica EMS em Hortolândia, no interior de São Paulo, na manhã deste sábado. Segundo a empresa, o fogo ficou restrito ao almoxarifado e ao Centro de Pesquisa e Desenvolvimento. O Corpo de Bombeiros informou que imóveis vizinhos foram evacuados devido ao risco das chamas se espalharem. Não há registro de feridos.
Foto: Reprodução/ TV Globo
As causas do incêndio ainda serão investigadas. De acordo com as primeiras informações dos bombeiros, o fogo teria começado por volta das 11h30min no almoxarifado da fábrica, onde são montadas as embalagens para transporte dos remédios produzidos ali. As chamas não chegaram à área de produção de medicamentos.
Naquela hora, estava acontecendo um evento com familiares de funcionários na planta. De acordo com a EMS, cerca de 80 pessoas foram retiradas do local pela brigada de incêndio. Segundo informações da TV Globo, havia também cerca de 500 funcionários no local.
Imagens compartilhadas nas redes sociais por vizinhos da fábrica mostram uma coluna de fumaça que podia ser visto à distância. Segundo relatos desses moradores, foi possível ouvir explosões e ver que um muro da empresa desabou. De acordo com os bombeiros, a retirada de moradores vizinhos à fábrica também foi necessária para evitar contaminação por fumaça tóxica.
Exportação para 40 países
Maior produtor de medicamentos genéricos do Brasil desde 2013, o grupo EMS exporta remédios para 40 países. Fazem parte da sua cartela de produtos antigripais, anti-inflamatórios, analgésicos, antibióticos, antiulcerosos, anti-hipertensivos, anti-helmínticos, antidiabéticos e corticoides tópicos.
A planta de Hortolândia foi inaugurada de 1999. Três anos depois, foi inaugurado um centro de pesquisa. E, em 2013, foi feita uma ampliação para incluir, na planta, a produção de embalagens. Na época da inauguração, a empresa anunciou que era capaz de produzir 76 milhões de unidades de medicamento por mês.