Brasil

Irmã de Aécio já está em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica

Ela deixou o Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte, na madrugada desta quinta-feira, por volta das 3h

Agência O Globo

A irmã do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), Andrea Neves, já está em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica. Ela deixou o Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte, na madrugada desta quinta-feira, por volta das 3h. As informações são do "Hora 1", da TV Globo.

Na terça-feira, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu converter a prisão preventiva de Andrea Neves e Frederico Pacheco, respectivamente irmã e primo de Aécio Neves, em prisão domiciliar, com monitoramento de tornozeleira eletrônica. Além deles, recebeu o benefício o ex-assessor parlamentar Mendherson Souza Lima

Os três são investigados no mesmo inquérito de Aécio e estavam presos desde 18 de maio, por decisão do relator da Lava-Jato, ministro Edson Fachin. Para ele, havia risco de reiteração criminosa e obstrução à justiça. Nesta terça-feira, por três votos a dois, o colegiado considerou que esse risco não existe mais.

Além do recolhimento em casa e do monitoramento eletrônico, ficarão proibidos de manter contato uns com os outros e de ausentar-se do país sem autorização judicial, devendo entregar seus respectivos passaportes.

Andrea Neves foi denunciada pela suposta prática de corrupção. Em fevereiro, ela pediu ao empresário Joesley Batista R$ 2 milhões, dinheiro que foi repassado depois em malas de dinheiro a Frederico Pacheco, primo de Aécio a quem coube transportar o dinheiro de São Paulo a Minas Gerais, entregue depois a Mendherson Souza Lima.

A defesa de Andrea diz que ela pediu o dinheiro para bancar a defesa de Aécio Neves na Lava Jato e que foi ao encontro de Joesley para tentar vender um apartamento de R$ 40 milhões no Rio de Janeiro.