Brasil

Isolamento trazido pela pandemia reduz índices de acidentes no trânsito

Em função da menor circulação de veículos nas ruas e estradas, as estatísticas de acidentes reduzem

Redação Dino

Apesar da maioria das notícias sobre a pandemia da Covid-19 serem preocupantes, um raro fator positivo se destaca em meio a este momento: no trânsito brasileiro, o período de circulação reduzida ocasionado pelo isolamento social demandado pelas estratégias de prevenção contra o novo Coronavírus trouxe números favoráveis: por exemplo, nas estradas federais, o índice de acidentes caiu 28% entre 11 de março e 12 de abril de 2020, na comparação com o mesmo período de 2019, segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

No mesmo intervalo, a ocorrência de acidentes graves recuou 23% e as mortes no trânsito das rodovias diminuíram em 7%, enquanto o número de feridos com gravidade para ocupar leitos de UTI em decorrência de traumas caiu entre 30% e 50%.

De acordo com o Ministério da Saúde, antes da pandemia do novo Coronavírus as vítimas de acidentes automobilísticos ocupavam até 60% dos leitos e até 50% das vagas em centros cirúrgicos do SUS. Com isso, os custos anuais gerados por tais vítimas ao SUS fica em torno de R$ 52 milhões, o que tende a reduzir com a menor circulação de carros e pessoas nas vias.

Além da diminuição dos custos, outro ponto relevante para o momento atual é a liberação dos leitos de UTI, que podem ser liberados de vítimas de traumas por acidente de trânsito para pacientes com Covid-19.

O diretor de Marketing da Creare Sistemas, Paulo Jotz, aponta que, para manter a redução nos índices de acidentes rodoviários, algumas recomendações podem ser seguidas:

Sem celular: no Brasil, o uso de celular ao volante é a terceira maior razão de acidentes, conforme dados da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet).

Quando um motorista atende ao telefone ou responde a uma mensagem (de Whatsapp, por exemplo), as chances de se envolver em um acidente aumentam em 400%.

Também conforme a Abramet, ao digitar um texto no celular enquanto dirige, o condutor aumenta em até 23 vezes as chances de causar ou participar de um acidente, enquanto em chamadas de voz a atenção e a capacidade de reflexo caem 37%. "Assim, se for de extrema necessidade atender ou ver a mensagem, é melhor parar o carro em local seguro para manusear o celular", afirma Jotz.

Sem distração: segundo o Detran, mais de 94% das ocorrências de tráfego no país são causadas por distração. Nisto entra o quesito smartphone e outros aparelhos, tirar olhar da direção, fumar, entre outros.

Sem bebida: no Brasil, cerca de 100 mil pessoas morrem por ano em acidentes de trânsito causados por motoristas embriagados. Mundialmente, o número sobe para 2.8 milhões.

Uma avaliação medida pela Creare Sistemas aponta que estar distraído por 3 segundos ao volante, numa velocidade de 60 km/h, equivale, para o condutor, percorrer 50 metros de distância em condição de cegueira total.

Sem cansaço: a falta de descanso prejudica o restabelecimento dos neurotransmissores, o que reduz a concentração, atenção e raciocínio, diminuindo as capacidades necessárias para conduzir um veículo. No Brasil, 60% dos acidentes rodoviários envolvendo motoristas profissionais são causados por sono (42%) e fadiga (18%). Considerando todas as ocorrências em rodovias rurais e urbanas, sono e fadiga são a terceira maior causa de acidentes de trânsito no país, ficando atrás apenas do uso de álcool e drogas ao volante (2º lugar) e do excesso de velocidade (1º lugar).

Pesquisas indicam que quanto menos se repousa, menor a qualidade e segurança da direção. Exemplo: se o condutor dormir 5,5 horas, a chance de causar um acidente de trânsito é 10 vezes maior do que quem dormiu 8 horas.

Sem correria: se um veículo colide a 60 km/h, o impacto é equivalente a cair de carro de uma altura de quatro andares. Portanto, é preciso estar sempre atento aos limites de velocidade, eles existem para garantir que os motoristas tenham tempo de reação a imprevistos, evitando acidentes e preservando vidas.

Sem imprudência: no Brasil, o volume de acidentes causados por erros de motoristas no atendimento aos limites de velocidade, sinalizações de trânsito e outros chega a cerca de 65% do total. Ultrapassagens proibidas, por exemplo, são responsáveis por 2,41% dos acidentes, causando 7,97% das mortes. Já a rodagem acima da velocidade permitida, somente em estradas federais brasileiras, é fonte de aproximadamente 12,79% dos acidentes, com mais de 14,29% das mortes.

"No Brasil, uma pessoa perde a vida no trânsito a cada 12 minutos e, a cada minuto, uma pessoa fica com sequelas permanentes. O número de feridos e vítimas com danos irreversíveis no país passa dos 600 mil, conforme a OMS", detalha Jotz.