Brasil

João de Deus e sua mulher são indiciados por posse de armas

Polícia Civil de Goiás apreendeu armas de fogo e R$ 405 mil em dinheiro nas residências do casal em Abadiânia e em Anápolis

Agência O Globo
- Atualizada em

A Polícia Civil de Goiás indiciou o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, e sua mulher, Ana Keyla Teixeira, por posse ilegal de armas de fogo que foram encontradas nas residências do casal em Abadiânia e em Anápolis, ambas em Goiás.

Foto: Divulgação
O material foi encontrado a partir de mandados de busca e apreensão nas residências do casal. A polícia encontrou aproximadamente R$ 405 mil em dinheiro vivo, em um fundo falso do guarda-roupas do suspeito, e cinco armas espalhadas por gavetas e outros espaços, sendo uma delas com a numeração raspada. Segundo a delegada Karla Fernandes, responsável pelo caso, com esse indiciamento, a força-tarefa da Polícia Civil goiana encerra seus procedimentos.

— Tanto o investigado João Teixeira Faria quanto a esposa dele, Ana Keyla, foram indiciados por dois portes ilegais de armas, uma vez que foram apreendidas armas de fogos nas duas residências deles, em Abadiânia como em Anápolis — afirmou a delegada. — Em relação aos abusos, estamos encaminhado um (indiciamento) hoje. Ele foi indiciado por fato ocorrido em 2016, em que a vítima, que reside em São Paulo, representou na data correta, o inquérito foi instaurado em agosto do ano passado.

Outras três denúncias apresentadas à polícia goiana foram arquivadas porque o prazo para eventual punição já havia expirado. Agora, os inquéritos são enviados para o Poder Judiciário, que os encaminhará para análise do Ministério Público de Goiás. Se houver denúncia, a Justiça pode aceitá-la ou não.
Foto: Agência Brasil
Ontem, João de Deus havia se tornado réu após a Justiça goiana aceitar a  denúncia do MP de Goiás  contra ele, por violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável. A denúncia é baseada no relato de quatro mulheres. O médium está detido no Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Ele nega ter cometido os crimes de que é acusado.

Em outra ação, de natureza cível, o Judiciário determinou o bloqueio de R$ 50 milhões de João de Deus, entre contas bancárias e imóveis, para garantir uma possível indenização às vítimas.

Mais de 100 mulheres já prestaram depoimento formal aos investigadores da força-tarefa montada para acompanhar o caso, e uma segunda denúncia deve ser apresentada contra o médium ainda nesta semana.

O Ministério Público recebeu relatos de diversos estados do país e também do exterior.