Brasil

Juíza assassinada em Niterói tinha várias decisões judiciais contra policiais militares

Patrícia Lourival Acioli foi assassinada a tiros na porta de casa no Rio de Janeiro

- Atualizada em
A juíza Patrícia Lourival Acioli, executada na madrugada de hoje (12) em Niterói, tinha várias decisões judiciais contra policiais militares em seu currículo. Como titular da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, ela era responsável por julgar casos de homicídio no segundo município mais populoso do estado do Rio, inclusive os casos de autos de resistência, isto é, mortes provocadas pela polícia supostamente em confronto com o suspeito.

Em setembro de 2010, a magistrada determinou a prisão de quatro policiais militares de Niterói e São Gonçalo, acusados de integrar um grupo de extermínio na região. Em janeiro deste ano, ela também decretou a prisão de seis policiais acusados de forjar autos de resistência.

Na última terça-feira (9), Patrícia Lourival Acioli condenou o oficial da Polícia Militar Carlos Henrique Figueiredo Pereira a um ano e quatro meses de detenção, em regime aberto, pela morte do jovem Oldemar Pablo Escola Faria, de 17 anos, em setembro de 2008. As informações são da Agência Brasil.