Brasil

Justiça ordena que empresa indenize empregado por trabalhar 15 horas por dia

Relatórios de viagem e a apresentação de testemunha colaboraram para a sua versão

Agência O Globo

Uma empresa de São Paulo que faz transporte de cargas foi condenada a pagar indenização para um motorista de carreta por jornada de trabalho excessiva, o que configura "dano existencial". O trabalhador comprovou na Justiça trabalhar 15 horas por dia, de segunda a sábado. Na primeira instância, a condenação incluía o pagamento de R$ 50 mil à vítima, mas a Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho, no julgamento de recurso de revista, reduziu a taxa para R$ 20 mil.

Na reclamação, o motorista disse que trabalhava das 5h à meia-noite ou da meia-noite às 18h em revezamento semanal, com 20 minutos de intervalo e duas folgas por mês. Sustentou ainda que dormia no caminhão em 15 dias por mês. Relatórios de viagem e a apresentação de testemunha colaboraram para a sua versão. A empresa, por sua vez, afirmou não possuir controles de jornada dos empregados.