Brasil

Médica que não prestou socorro a bebê chora e se diz arrependida

Haydee sustentou a tese de que, por não ser pediatra, não poderia ter prestado socorro à criança

Pedro Zuazo, da Agência O Globo
Durou cerca de quatro horas o depoimento da médica Haydee Marques da Silva, de 66 anos, que não socorreu o pequeno Breno Rodrigues Duarte da Silva, de 1 ano e 6 meses, na última quarta-feira. A clínica geral e anestesista chegou à 16ª DP (Barra da Tijuca) às 10h35 desta segunda-feira e foi ouvida das 11h às 15h. Ao longo do depoimento, ela chorou e se disse arrependida.
Em sua defesa, Haydee sustentou a tese de que, por não ser pediatra, não poderia ter prestado socorro à criança. Até as 15h30, ela ainda não tinha deixado a delegacia.
Foto: Reprodução/Facebook
Na delegacia, Vanessa Martins disse que o pai, que tinha uma doença grave, morreu após ser mal atendido pela médica Haydee Marques da Silva, que é procurada pela polícia.
Médica que se recusou a atender menino tem histórico de descaso e maus-tratos contra pacientes
Breno tinha um ano e sete meses e sofria de epilepsia Médica que omitiu socorro tem anotação criminal por caso semelhante, em 2010.

A médica é investigada por homicídio culposo (quando não há intenção) , mas o advogado da família do menino Breno, acredita que até a conclusão do inquérito a tipificação poderá ser alterada para dolo eventual.
- Existe a possibilidade de uma mudança na classificação para dolo eventual. A autoridade policial está reunindo provas e materialidade para que se possa configurar a intenção, o crime doloso. Embora a tipificação original tenha sido de homicídio culposo, tudo o que está sendo juntado está indo por um caminho de dolo - explica Gilson Moreira, de 54 anos, advogado da família de Breno.
De acordo com o advogado, que teve acesso ao depoimento, a médica foi redundante na defesa:
- Foi um depoimento extenso, mas muito redundante. Ela repete o tempo todo que não atende criança, que não é pediatra. Ela negou o atendimento a um paciente que veio a falecer e sustenta essa questão de que por não ser pediatra não poderia atender - critica o advogado.
De acordo com o advogado, o inquérito deve ser concluído ainda essa semana. Em seguida, o relatório será enviado ao Ministério Público (MP) estadual.
- Ela chorou no depoimento, mas saiu com a mesma frieza com a qual entrou. A conduta é reprovável não só pelo direito, mas pela sociedade. Ninguém quer ter um ente numa situação dessa. Essa senhora não pode continuar exercendo a profissão porque não tem competência, não tem maturidade e equilíbrio emocional - diz Gilson.
Felipe Duarte e Rhuana Lopes Rodrigues, pais do bebê, chegaram por volta das 15h35 para depor.