Brasil

Médica que negou socorro a bebê de um ano vai depor nesta sexta-feira (9)

Profissional poderá responder por homicídio culposo com aumento de pena por inobservância de regra

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Após ter negado socorro ao bebê Breno Rodrigues Duarte da Silva, de 1 ano e sete meses, que morreu cerca de uma hora e meia depois, a médica Haydée Marques da Silva, de 29 anos é aguardada para prestar depoimento à Polícia nesta sexta-feira (9).

Breno tinha um ano e seis meses e sofria de uma doença neurológica Foto: Arquivo pessoal

 O caso aconteceu no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio e foi registrado na delegacia como omissão de socorro. Além da médica, também será ouvido o motorista da ambulância e o porteiro do condomínio.

O bebê Breno Rodrigues Duarte Silva, que foi enterrado na quinta-feira (8), morreu de broncoaspiração, depois de ter aspirado o próprio vômito. A criança, que estava em internação domiciliar – e por isso, só poderia ser transportada em ambulância - começou a passar mal de uma gastroenterite.

Os pais chamaram uma ambulância, que chegou ao condomínio às 9h10. Imagens da câmera de segurança do prédio mostram Haydée rasgando papeis dentro da ambulância e indo embora três minutos depois, sem sequer descer do carro. A criança morreu às 10h26.

A Cuidar, que presta serviços para a Unimed-Rio, disse que afastou a médica Haydée Marques da Silva, de forma definitiva. E o Conselho Regional de Medicina (Cremerj) disse, em nota, que vai abrir sindicância para apurar o caso.

De acordo com o G1 Rio de Janeiro, a delegada que presidiu o inquérito no momento do registro informou que a médica, na situação em teriam ocorrido os fatos, poderá responder por homicídio culposo com aumento de pena por inobservância de regra técnica de profissão.