Brasil

Médico é suspeito de agredir transexual após ela se recusar a realizar fetiche

Vítima teve nariz quebrado e outros machucados no rosto; homem foi preso

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Um médico foi preso nesta terça-feira (13) após agredir uma transexual a chutes na porta de um motel após um programa. As agressões teriam ocorrido após a vítima, de 24 anos, se recusar a realizar um fetiche do homem que excedia o que tinha sido combinado anteriormente. O caso aconteceu em um motel localizado em Aparecida de Goiânia (GO) e o momento de fúria do suspeito foi gravado pela vítima na porta do estabelecimento. As informações são do G1 Goiás.


Ao G1, a polícia civil informou que a vítima decidiu interromper o programa porque o médico, de 39 anos, ficou furioso e acabou quebrando o nariz dela durante a série de agressões. Além disso, ela teve um corte no supercílio e outros machucados no rosto.

O suspeito estava preso em caráter de flagrante até esta quarta-feira (15), quando o juiz decidiu convertê-la para preventiva.

De acordo com o juiz Lázaro Alves Martins Júnior o decreto da prisão preventiva foi "imprescindível para resgatar a ordem pública", diante das especificações dos antecedentes criminais por ameaça, injúria, lesão corporal e pela Lei Maria da Penha. Ainda de acordo com o magistrado, a soltura do médico enseja um "perigo de reiteração delitiva, caso posto em liberdade".

Ao G1, o delegado do caso, Henrique Brocan, contou que o suspeitou pediu que a vítima atendesse um pedido sexual peculiar que foi negado por ela que decidiu interromper o programa.


"Eles estavam em ato sexual e o médico pediu algo que a vítima não concordou. Então ele deu um golpe de mata-leão nela, quebrou alguns mobiliários do quarto do motel. A vítima conseguiu correr seminua até a portaria para pedir socorro, foi quando a Polícia Militar prestou apoio", contou o delegado.