Brasil

Menina de 6 anos morre após ser torturada pelo pai

Rodrigo Jesus da França confessou o crime e pediu para ser preso porque temia ser linchado por moradores do local

Agência O Globo

Uma criança de apenas seis anos, com sinais de espancamento, chegou morta ao Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio de Janeiro, na tarde da última sexta-feira (3). Mel Rhayane Ribeiro de Jesus teria sido torturada pelo pai, Rodrigo Jesus da França, que confessou o crime, está preso na Divisão de Homicídios da Capital (DH-Capital), na Barra da Tijuca, na Zona Oeste. Foi ele quem levou a menina, já sem vida, ao hospital. Ele pediu para ser preso porque temia ser linchado por moradores do local.

À polícia, ele contou que conseguiu a guarda da filha em dezembro passado, depois de denunciar que a criança era estuprada pelo ex-padrasto. Mas, em razão do trauma, Mel teria  desenvolvido um distúrbio psiquiátrico que a levava a se masturbar e,  por causa disso, ele a espancava para que parasse.
A mãe da menina,  Fernanda Cristina Ribeiro Tavares, no entanto, negou a a acusação e disse que o pai inventou essa história para conseguir a guarda da criança e não pagar a pensão alimentícia que devia. 
— Quando a guarda da minha filha foi dada para Rodrigo, em dezembro de 2018, eu nem estava mais casada. Eu me separei porque não deu certo o relacionamento, não porque o meu ex-marido tenha feito algo com a minha filha. Ele é uma pessoa boa, nunca faria o que estão acusando ele. O Rodrigo só inventou isso para não pagar a pensão. E agora a minha filha está morta de tanto que ele bateu e torturou ela — afirmou Fernanda.
Contrariando a versão de Fernanda, agentes da 26ª DP (Todos os Santos), que acompanharam o caso nesta sexta-feira, afirmam que a mãe da menina tinha conhecimento dos abusos sexuais feito pelo ex-marido. Ainda de acordo com a polícia, a criança desenvolveu  um distúrbio psiquiátrico que a levava a se masturbar. Por causa disso, o pai a espancava e a torturava para que parasse, segundo informou a Polícia Civil.
Outros detalhes que os policiais da 26ª DP falaram, foi que Fernanda já tem passagem polícia, também por maus tratos a filha. 
Fernanda nega a versão da polícia, e diz ainda que a última vez que viu a filha foi em dezembro de 2018, quando a guarda da criança foi concedida ao pai. 
— Há um laudo que comprova que a minha filha não foi violentada pelo meu ex-marido. O Rodrigo fez isso para não pagar pensão. Ele não me deixou mais ver a Mel. Não conseguia falar com ela nem por telefone. Em janeiro de 2019, eu recorri da decisão da Justiça de dar a guarda para ele, mas a audiência só foi marcada para julho, quando já era tarde demais e a minha filha já estava sendo torturada. 
O GLOBO teve acesso ao laudo descrito por Fernanda, que, no primeiro momento, nega que Mel tenha sido estuprada.
A avó materna de Mel, Tania Ribeiro Tavares, disse que conseguiu ver a neta no começo de maio, quando a criança fez aniversário. 
— Fui na casa do Rodrigo sem ele permitir. Ele não queria deixar eu entrar, mas eu entrei mesmo assim. Levei bolo e refrigerante para minha neta. Mas quando eu a vi, percebi que ela não estava bem. Muito magra e maltratada. O pai dela chegou a tirar ela da escola para evitar que ela falasse sobre as agressões que sofria. Ela não aguentava mais mentir. Ele a excluiu do mundo — disse Tania. 
O advogado de Fernanda, Pedro Raphel Rocha Dias, que acompanha o caso desde 2017, quando a mãe de Mel entrou com uma ação na Justiça para conseguir a pensão alimentícia do pai, disse que viu as fotos do corpo da criança, e que as imagens são chocantes.
— O corpo da Mel tem hematomas, marcas de tortura. As orelhas dela estavam todas cortadas. Tinha cicatrizes nos braços e as pernas, que pareciam de amarras. É uma imagem horrível. Não sei como alguém tem coragem de fazer isso com uma criança.
Além de Rodrigo, a atual mulher dele, que não teve a identificação revelada, também está presa na DH. Ela é acusada de ser conivente com o pai da Mel, ao esconder os maus tratos que a criança sofria. Ela tem dois filhos com Rodrigo e um de outro casamento. 
Ainda neste sábado, segundo polícia, agentes da DH, acompanhados pela mãe da menina, irão na casa de Rodrigo, no Complexo do Lins, para que seja realizada uma perícia no local.
Polícia Civil
De acordo com informações da DH-CAPITAL foi instaurado inquérito policial para apurar as circunstâncias da morte de Mel Rhayane Ribeiro de Jesus, de 6 anos. Diligências estão sendo realizadas em busca de informações que possam ajudar esclarecer o fato e parentes estão sendo ouvidos na especializada. As investigações estão em andamento. 
Polícia Militar
Equipes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Lins foram acionadas para verificar a entrada de uma criança no Hospital Naval Marcílio Dias, na tarde desta sexta-feira (2/8). Chegando ao local, os policiais foram informados sobre o óbito da vítima, detiveram o pai da mesma e o conduziram à Delegacia de Homicídios da Capital.