Brasil

Menino de três anos tem parte do pênis amputada por erro médico

O cirurgião responsável pelo procedimento foi encontrado morto dias depois

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Um menino de três anos teve parte do pênis amputada durante uma cirurgia de fimose realizada no Hospital Municipal Dr. Carlos Marx, em Malacacheta, Minas Gerais. De acordo com informações do G1 Minas Gerais, o pai da criança explicou que o cirurgião responsável pelo procedimento não admitiu o erro e só ficou ciente do ocorrido após o filho ser transferido para um hospital de Teófilo Otoni.

"Lá eu fui chamado para uma sala, onde me disseram 'infelizmente houve a amputação do pênis do seu filho'. Aí eu fui pro chão, passei mal'”, desabafou o pai da criança ao G1 MG.

O pai da criança contou ao G1 MG que ao pedir para enfermeira trocar o curativo sujo de sangue notou que algo estava errado. “Eu deixei o meu filho no hospital e minha mãe ficou de acompanhante. Eu fui para uma reunião de trabalho e quando retornei soube que tinha algo errado. A cirurgia que deveria ter durado uns trinta minutos levou cerca de quatro horas. Quando tirou o primeiro esparadrapo, tinha tipo uma gaze enrolada simulando que o pênis estaria ali no meio. Tudo ensanguentado. Quando levantou a gaze não tinha pênis visível. Fiquei doido, falei que isso não era normal".

Ele ainda explicou que chamou o médico de plantão, porque o médico que tinha operado havia ido embora, e ele falou que não podia avaliar porque não tinha participado da cirurgia.

"Eu pressionei: 'doutor, posso ficar tranquilo que tá tudo normal, então?'. E ele disse 'não, eu não falei isso, só digo que não tenho condições de avaliar porque não participei da cirurgia'”, disse ao G1.

O homem foi atrás do prefeito e do secretário de saúde do município denunciar o ocorrido. “Eu mostrei a foto do meu filho e perguntei 'isso é normal?'. Eu vi que ele [secretário de saúde] ficou espantado, mas continuou dizendo que estava tudo bem. Horas depois apareceu o médico que fez a cirurgia e disse que estava normal, disse 'daqui dez dias vai começar a desinchar e vai dar pra ver o pênis dele'”.

De acordo com o G1 Minas Gerais, o menino estava se queixando de dor após o procedimento e ele foi transferido para outro hospital. No hospital de Teófilo Otoni, a criança passou por dois novos procedimentos cirúrgicos para avaliar o estado em que se encontrava e, em seguida, para a reconstrução do membro.

Ainda segundo o G1 MG, o pai do menino disse que no laudo do segundo hospital consta que houve laceração do prepúcio do menino e que somente no futuro poderá saber tem chances de colocar uma prótese.



Em contato com o G1 MG, a Secretaria de Saúde afirmou que estão apoiando o menino através das visitas domiciliares realizadas pela Equipe de Saúde da Família e ofertando consultas médicas e atendimento psicológico. Além disso, eles relataram que o pai do menino foi ressarcido dos custos hospitalares no dia 4 de outubro.

O caso será investigado pela Polícia Civil e o Ministério Público aguarda a conclusão das investigações para avaliar quais providências serão tomadas. A situação está sendo investigada como crime de lesão corporal.

Cirurgião responsável pela operação


O médico responsável pelo procedimento cirúrgico foi encontrado morte dias após a cirurgia. Ainda não se sabe as causas da morte.