Brasil

Militar mata a mulher por sentir ciúmes dela com homem gay, que também foi morto

Vizinhos do casal ouviram uma discussão e, em seguida, barulhos de tiros

Louise Queiroga, da Agência O Globo
- Atualizada em

Uma mulher foi morta a tiros pelo marido na noite desta quarta-feira, dia dos namorados, no apartamento onde vivia em Cruzeiro, no Distrito Federal. O autor dos disparos matou também um homem. Segundo relatos de pessoas próximas à vítima, o militar da Aeronáutica Joenil Queiroz, de 56 anos, teria sentido ciúmes de Francisca Naidde de Oliveira Queiroz, de 57 anos, alegando que ela estaria mantendo um caso extraconjugal com Francisco de Assis, de 41 anos, embora este fosse casado com um homem.


Segundo informações da 5ª DP, uma guarnição da Polícia Militar foi acionada por volta das 19h30 por vizinhos do casal, que ouviram uma discussão e, em seguida, barulhos de tiros.

Quando os PMs chegaram ao local, se deparam com várias pessoas gritando por socorro e informando que o autor dos disparos, que era o síndico do prédio, tinha saído correndo. Joenil não conseguiu, porém, ir muito longe. Ele foi encontrado pelos policiais no estacionamento, ainda com a pistola calibre 380 usada no crime. Ao entregar a arma de fogo, confessou ter efetuado os disparos.

Levado para a Central de Flagrantes, foi acusado da prática de feminicídio e homicídio consumados. Ele foi recolhido às dependências do Comando da Aeronáutica, onde permanecerá detido à disposição da justiça.

Nas redes sociais, amigos e parentes de Francisca deixam para ela mensagens de despedida. "Essa é uma amiga que hoje está nos braços do pai, morta pelo marido, com um ciúmes doentio, alegou que tinha matado ela por que ela estava tendo um caso, agora como pode uma mulher de Deus, temente ao Senhor, mulher direita, mãe de família ter um caso, ainda mais por que o rapaz era homessexual casado! Que também foi morto pelo marido, marido esse que bateu nela, ela prestou queixa dele mas voltou pra ele. Doente, os homens estão doentes! Que agora ela tenha paz!", escreveu uma usuária do Facebook.