Brasil

Morte de jovem por segurança gera protestos: #ACarneMaisBarataDoMercado

O jovem morreu após levar uma "gravata" de um segurança

Agência O Globo

A morte de Pedro Gonzaga, de 19 anos, em uma filial do supermercado Extra, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, nesta quinta-feira, gerou revolta nas redes sociais. Hashtags de protesto como #ACarneMaisBarataDoMercado e #VidasNegrasImportam configuram entre os assuntos mais comentados do Twitter nesta sexta-feira, enquanto o nome do supermercado está no topo dos Trending Topis. O jovem morreu após levar uma "gravata" de um segurança. Internautas consideram que a reação dele foi racista.

"Essas cenas constantes desse país colonial precisam acabar", disse Djamila Ribeiro, autora autora do best seller nacional "Quem tem medo do feminismo negro?" (Companhia das Letras, 2018), em seu perfil do Facebook, referindo-se ao vídeo que mostra o ocorrido.

O segurança Davi Ricardo Moreira foi indiciado por homicídio culposo (quando não há intenção de matar) com agravante de inobservância de regra de profissão.

Foto: reprodução
Davi deixou a DH na madrugada desta sexta-feira. Ele responderá pelo crime em liberdade, uma vez que a pena prevista varia de um a quatro anos, já com o agravante. A libertação ocorreu mediante pagamento de fiança de R$ 10 mil.

Segundo a família da vítima, Pedro estaria sob efeito de drogas ao ser imobilizado. Os parentes dele relataram à polícia que o rapaz seria internado horas depois em uma clínica em Petrópolis, na região serrana do estado.

O supermercado Extra emitiu uma nota em suas redes sociais na tarde desta sexta-feira, lamentando o episódio.

"Os seguranças envolvidos no caso foram definitivamente afastados. A Companhia instaurou uma sindicância interna para acompanhamento junto à empresa de segurança e aos órgãos competentes do andamento das investigações", diz trecho do comunicado.



Alguns famosos também se manifestaram sobre a morte de Pedro em seus perfis, como o ator Ícaro Silva, a banda Liniker e os Caramelows, a chef e apresentadora Paola Carosella, e o influenciador digital Spartakus Santiago, que se apresenta como um "youtuber negro, gay e nordestino" que busca debater questões raciais e LGBT. Estes dois últimos ressaltaram que a morte de uma cadela por um segurança terceirizado em um Carrefour em Osasco (SP), em 28 de novembro do ano passado, gerou uma repercussão e revolta ainda maior. E eles não foram os únicos, tanto que o nome do supermercado entrou nos Trending Topics, por pessoas que também fizeram essa comparação.
Foto: reprodução
Leia abaixo, a nota do supermercado Extra na íntegra:

"Com relação ao lamentável episódio ocorrido na tarde da última quinta-feira (14/2) no Hipermercado Extra Barra. a Rede vem a público reiterar que não aceita qualquer ato de violência.

Um grave fato ocorreu na loja do Extra e a Rede não vai se eximir das responsabilidades do ocorrido, sendo a maior interessada em esclarecer a situação o mais rápido possível. Desta forma, está contribuindo com todas as informações disponíveis.

Os seguranças envolvidos no caso foram definitivamente afastados. A Companhia instaurou uma sindicância interna para acompanhamento junto à empresa de segurança e aos órgãos competentes do andamento das investigações.

O Extra continuará contribuindo com a apuração e assegura que tomará todas as medidas cabíveis, tendo em vista o resultado da investigação.

Acrescentamos que, independentemente do resultado da apuração dos fatos, nada justifica a perda de uma vida e a Companhia se solidariza com os familiares".

Confira os protestos nas redes sociais:

Foto: reprodução