Brasil

Motoboys de aplicativos de comida vandalizam casa e carro de morador em São Paulo

De acordo com entregadores, o homem aplicava golpes para não ter que pagar pelas compras

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Um grupo de motoboys que trabalham com entregas para aplicativos de comida invadiu uma casa e vandalizou o carro de um morador neste domingo (21), em Bauru (SP). De acordo com o G1 São Paulo, os trabalhadores realizaram o ato por que o homem era um cliente que aplica golpes para não pagar pelas compras. 

Nas redes sociais, motoboys disseram que o morador da casa registrava nos aplicativos que não havia recebido os pedidos, apesar de as entregas terem ocorrido.

No vídeo, é possível ver que vários motociclistas se reuniram em frente a uma residência na região do Jardim Brasil. Os entregadores derrubaram o portão da garagem, entraram no local e vandalizaram o veículo.

Em nota, o aplicativo de entrega iFood afirmou que repudia qualquer ato de violência e que deverá abrir apuração sobre o episódio. A empresa ainda diz que "trabalha constantemente para dar mais clareza sobre sua política de desativação de usuários e que essa medida só é tomada quando há descumprimento dos termos e condições de utilização da plataforma, como casos de extravio, fraudes de pagamento e cessão de contas a terceiros".

O aplicativo também afirma que os motoboys não têm acesso às avaliações feitas individualmente pelos clientes. É possível visualizar apenas a quantidade total de avaliações e o teor (positivo ou negativo). 

Também em nota, o Rappi informou que os motoboys não têm acesso aos nomes dos usuários que fazem as avaliações das entregas, sejam elas positivas ou negativas. “O processo é completamente sigiloso e apenas o time interno do Rappi pode visualizar as informações”.

Já o Sindimoto, sindicato que representa os trabalhadores do setor em Bauru e região, afirmou que repudia "atos de vandalismo praticados contra patrimônio público ou privado de qualquer natureza bem como racismo e de apologia à violência". 

Veja vídeo: