Brasil

Motorista se recusa a levar passageira transexual e é banido da Uber

A empresa ratificou a posição, dizendo que assim que tomaram conhecimento da denúncia, baniram o motorista do aplicativo

Agência O Globo
- Atualizada em

O caso de uma passageira que teve a corrida recusada por um motorista de Uber por ser transexual repercutiu bastante na internet. Na última segunda-feira (9), Darllen Sacramento, de 28 anos, solicitou um carro por aplicativo no Rio de Janeiro e, quando o motorista passou por ela, não quis parar para que ela entrasse. No chat do próprio app, ele perguntou "travesti?", depois disse "desculpe, mas não dá".

A situação de preconceito foi denunciada por uma amiga da passageira no twitter. Ela escreveu "vou postar aqui pra dar voz a uma mana trans que sofreu uma transfobia de um motorista da Uber, quero deixar a cara desse palhaço bem conhecida! E que a @Uber_Brasil tome providências!"

Em um grupo no Facebook, Darllen desabafou:

"Sofri um preconceito muito grande, passei uma vergonha imensa e isso não desejo para ninguém. O Uber recusou a me pegar por ser trans e eu fiquei duas horas esperando. Queria pedir o apoio de vocês para divulgar, porque isso não pode ficar assim".

Em resposta no Twitter, a Uber disse lamentar muito a experiência de discriminação que Darllen enfrentou. A empresa ratificou a posição, dizendo que assim que tomaram conhecimento da denúncia, baniram o motorista do aplicativo.