Brasil

Mulher denuncia médico por assédio: 'você deveria praticar mais sexo'

Para polícia, a mulher contou que marcou consulta por ter um distúrbio sexual e que ao relatar os problemas o médico começou a assediá-la

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br )

Na última terça-feira (18), uma mulher de 28 anos, que não teve o nome divulgado, procurou pela polícia para denunciar um ginecologista por assédio. De acordo com informações da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, o crime teria ocorrido durante uma consulta, em uma instituição que oferece atendimento de saúde especializado, no Jardim Monumento, em Campo Grande. As informações são do G1 MS.

Para polícia, a mulher contou que marcou consulta por ter um distúrbio sexual e que ao relatar os problemas para o médico ele teria dito: "Isso é uma limitação da sua mente, você é muito gostosa", e ainda beijou a mão dela sem o seu consentimento. 

Ela ainda explicou que o médico contou a  história de um amiga, sendo invasivo, o que a fez chorar no consultório, ainda de acordo com o relato da vítima. A vítima alega que o profissional chegou a pedir que ela o aguarda-se terminar o expediente e deu o número do celular dele para ela mandar mensagens pelo WhatsApp. Além disso, a abraçou sem seu consentimento no fim da consulta. 

A jovem disse que por ter continuado com os problemas voltou ao local e foi atendida por uma médica, que atendeu adequadamente, e depois foi até o 4° Distrito Policial e registrou o boletim de ocorrência por importunação sexual.

O delegado João Reis Belo, titular da unidade policial, disse que o inquérito está sendo instaurado e que o médico será notificado, em breve, para prestar depoimento. 

"Ele será intimado nos próximos dias. A mulher esteve aqui, prestou depoimento e descreveu os fatos com riqueza de detalhes, além de apresentar as mensagens. Este é um crime que não deixa vestígios, não tem testemunha, então, vamos apurar", afirmou o delegado ao G1. 

Em contato com o G1, o Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul (CRM/MS) já tem conhecimento sobre o ocorrido e aguarda o andamento da investigação policial. Já a instituição onde teria ocorrido o assédio preferiu não se pronunciar sobre o ocorrido.