Brasil

Mulher é presa por roubar, matar e esquartejar a tia

"Não demonstrou emoções, afirmou que estava surpresa e alegou não saber que era procurada", contou o delegado do caso

Felipe Grinberg, da Agência O Globo

Uma mulher condenada a 31 anos e sete meses de prisão por roubar e depois matar e esquartejar sua tia foi presa, nesta terça-feira, nos arredores da Vila Cruzeiro, na Penha. Policiais civis da 22ª DP - Penha localizaram Tatiana Damasio de Mello após um trabalho de inteligência. Ela estava foragida desde dezembro de 2018 e foi presa no momento em que chegava ao trabalho.

Para a Justiça, Tatiane agiu de forma cruel e fria. Ela roubou todo o dinheiro de sua tia, que sofria de alcoolismo, e depois a matou. Tatiane ainda cortou seu corpo em pedaços, colocou dentro de uma bolsa e enterrou em uma cova rasa na favela da Chatuba, em Mesquita.

Foto: divulgação
— Não demonstrou emoções, afirmou que estava surpresa e alegou não saber que era procurada — contou o delegado Fabricio Oliveira.

Ao negar um pedido de Habeas Corpus de Tatiane, Jorge Mussi, ministro do Supremo Tribunal de Justiça, destacou um trecho da condenação da mulher em que a compara com um "camaleão":

— Como um verdadeiro camaleão enganou a sua própria tia, pessoa com quem mantinha ótimas relações de convivência e retirando de sua conta corrente, praticamente toda a remuneração da vitima.

Em outro trecho destacado, o ministro narra que foi por um acaso que o caso foi solucionado. Isso porque apenas um ano depois do crime, uma testemunha contou o que havia acontecido:



— Os crimes começaram a ser desvendados cerca de um ano depois por puro acaso, após uma testemunha - quiçá partícipe do delito de ocultação de cadáver - contar, moribunda, ao filho da vítima, quem havia matado sua mãe e onde estava o corpo — diz a decisão.