Brasil

Mulher é presa suspeita de deixar a filha ser estuprada pelo padrasto para manter namoro

A vítima foi obrigada pela mãe a tatuar o nome do estuprador

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br )
- Atualizada em

Uma mulher foi presa suspeita de deixar que uma de suas filhas de 13 anos, fosse estuprada pelo padrasto. De acordo com o G1 do Amazonas, a menina que não teve o nome identificado, teria sido abusada durante cinco anos, além de ser obrigada a tatuar o nome do homem no braço que está sendo procurado pela Polícia. O caso aconteceu em Maués, a 276km de Manaus. 

Segundo a equipe do Conselho Tutelar da cidade, a adolescente era estuprada desde dos oito anos de idade e ela teria sido 'dada' ao padrasto para que ele aceitasse voltar com a mãe da vítima. 

"Ela (menina) conta que a mãe teve um outro relacionamento sem o padrasto saber. Quando ela pediu pra voltar, ele perguntou o que "ganharia com isso", ela disse que "qualquer coisa". Então, ele pediu a criança. Na época, ela tinha oito anos. Na primeira vez que ele foi cometer o abuso, a mãe a segurou pelos braços e ajudou a tampar a boca dela", disse o conselheiro tutelar, Vanderval Moreira. 

Conforme a Polícia Militar, com base nos depoimentos da vítima, a mãe estava presente em todas as vezes que a menina era estuprada e ajudava a segurar a adolescente para que não fugisse. 

A mulher possui mais dois filhos, de um e quatro anos de idade, que foram encaminhados para o entro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), para serem examinados. 

A mãe irá responder por estupro de vulnerável por não ter chamado a Polícia e permitir os abusos.