Brasil

Mulher está 'ferida na alma' após lutar com estuprador, diz marido dela

Camareira foi agredida por homem que tentou estuprá-la

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Uma mulher, identificada como Maria Ivanilda da Conceição, 43 anos, sofreu uma tentativa de estupro e foi agredida a pedradas enquanto voltava do trabalho que tem como camareira em Praia Grande (SP). O suspeito ainda não foi preso. As informações são do G1 Santos.

De acordo com Carlos Patrício de Lima, marido da vítima, ela está abalada com o caso. "Ele machucou a minha mulher e causou um trauma que ela levará para o resto da vida", disse, em entrevista ao G1.

O caso aconteceu no dia 1º de fevereiro, por volta das 18h. Maria Ivanilda voltava para casa do trabalho e foi abordada por um homem assim que saiu do ônibus. Ele tentou estuprar a camareira, que lutou para evitar o abuso. Com a reação, ela recebeu diversas pedradas do homem.

Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

O marido dela contou ao G1 que, por volta das 23h daquele dia, uma viatura policial chegou na casa dele para contar o que havia acontecido. "Imagina o quanto é difícil. Eu esperava minha mulher chegar do trabalho e a polícia chega e me avisa que ela foi vítima de uma tentativa de violência sexual", relata.

Assim que soube do ocorrido, Carlos foi ao hospital onde a esposa estava. Chegando lá, pôde ter uma dimensão do que, de fato, havia acontecido. "Foi muito dolorido vê-la daquele jeito e não conseguir fazer nada. Você saber que outro homem tocou na sua esposa de uma forma tão covarde. Eu vi que ela estava machucada e não era só na pele, mas também na alma. Aquilo doeu em mim", desabafou.



Com o suspeito ainda solto, Carlos contou que a tensão e o trauma não terminarão tão cedo. "Ela mudou muito, não é mais a mesma. Mesmo que passem anos, esse é um trauma que a pessoa leva para a vida toda. Já estamos há sete dias esperando que esse homem seja preso e nada. Quero que a justiça seja feita porque foi muita covardia. Isso faz eu me questionar o quanto vale a vida de uma mulher para a justiça brasileira. Eles estão esperando o que? O criminoso fazer mais uma vítima? Minha esposa sobreviveu, mas e se a próxima não tiver essa sorte?", indagou o esposo da vítima.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou através de nota ao G1 que o caso é investigado pela Delegacia da Mulher (DDM) da Praia Grande, mas não deu maiores detalhes sobre as investigações.

Foto: Reprodução/Arquivo pessoal