Brasil

Na linha de frente contra o coronavírus, médico se veste de dinossauro para abraçar filho

“O abraço no meu filho foi o combustível que eu precisava para continuar a batalha contra o coronavírus”, contou o médico ao G1

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Na linha de frente no atendimento com pessoas contaminadas com o novo coronavírus desde o dia 17 de março, o médico Juan Lambert viu na fantasia de dinossauro uma alternativa para abraçar o filho e a esposa durante a pandemia sem infectá-los. Ele estava há 36 dias sem ter contato com a família. As informações são do G1 Vale do Paraíba e região.

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
Ao G1, Juan relatou que está isolado da família e passou a morar na casa do sogro, em Caraguatatuba (SP), por causa do risco de contágio.

No primeiro momento do encontro, Lucca, de 4 anos, tomou um susto ao ver uma pessoa vestida do animal pré-histórico, mas logo ficou sabendo que era o pai que estava dentro dela. Eles conseguiram passear na rua por 20 minutos, no intervalo em que o médio conseguiu na rotina pesada de trabalho.

“O abraço no meu filho foi o combustível que eu precisava para continuar a batalha contra o coronavírus”, contou o médico ao G1.
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
A esposa de Juan está grávida de cinco meses de uma menina, que irá se chamar Liz, mas o médico só consegue acompanhar o ultrassom através de chamadas de vídeo pelo celular.

“Estou sem contato com a minha família porque sei o quanto o isolamento social é necessário e importante neste momento. Se o isolamento diminui, o número de pacientes que atendemos aumenta. É simples assim. Para evitar um colapso, precisamos manter o isolamento”, recomendou o médico.