Brasil

'Não estou mais radical, estou mais consciente', dispara Lula após acusações

Em congresso, ex-presidente ressalta que partido sempre defendeu a democracia e volta a criticar apelos para autocrítica

Sergio Roxo, da Agência O Globo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva rebateu, na noite da última sexta-feira, 22, em discurso na abertura de congresso do PT , em São Paulo, as acusações de que o PT promove a radicalização na política brasileira ao se opor ao governo do presidente Jair Bolsonaro . O ex-presidente afirmou que, após suas primeiras declarações depois de ganhar a liberdade no último dia 8, foi aconselhado a ter cuidado para "não tumultuar o ambiente político". Defendeu, porém, a necessidade de o partido manter a polarização com Bolsonaro.

— Disseram que eu deveria ter cuidado para não polarizar o país, que seria melhor calar certas verdades para não tumultuar o ambiente político, para o PT não provocar uma ameaça à democracia.

O petista argumentou que o seu partido sempre defendeu e teve compromisso com a democracia. 

— Quando perdemos (eleições), aceitamos o resultado e fizemos oposição, como determinaram as urnas. Quando vencemos, governamos com diálogo social, participação popular e respeito às instituições.

A fala de Lula foi anunciada como um pronunciamento à nação por parte do petista. O ex-presidente leu a maior parte do discurso. Depois de encerrar a leitura, o petista, falando de improviso, defendeu a necessidade de um pouco de radicalismo.

— Não venham dizer que o PT é radical. Um pouco de radicalismo faz bem à nossa alma (...). Não estou mais radical, estou mais consciente — declarou.