Brasil

Para viver, menina finge namoro com estuprador: 'rezei muito'

Ela relatou que chegou a implorar para ser liberada e ir para casa

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Uma adolescente de 15 anos, que não teve o nome relevado, foi estuprada no caminho de volta para casa depois de sair para andar de patins. De acordo com o G1 São Paulo, o suspeito do crime é um jovem de 20 anos, que estava em uma bicicleta. O caso aconteceu em Praia Grande (SP). Por enquanto, ninguém foi preso.

Segundo ainda o G1 SP, a vítima relatou que no caminho da orla da praia, ela foi abordada por um homem que fez a várias perguntas, que até então achou que estava apenas sendo paquerada. Depois de responder as perguntas do rapaz, ele pareceu desistir e foi embora. Porém, ao fazer o percurso de volta para casa, os dois se encontraram novamente e ele a seguiu e a estuprou. 

Conforme a adolescente, ela relatou que chegou a implorar para ser liberada e ir para casa, mas que foi ameaçada de morte pelo criminoso. Um homem que passava de bicicleta chegou a suspeitar que algo estava acontecendo, mas o rapaz fez com que a vítima saísse com ele de mãos dadas, para manter o 'disfarce' de casal. 

"Ele falava que estava fazendo um bem pra mim porque eu sempre lembraria dele quando fosse fazer isso (ato sexual). Ele disse que eu não faria isso por um bom tempo. Rezei muito para alguém perceber", diz a adolescente.

De acordo com a irmã da vítima, uma comerciante de 27 anos, a adolescente está muito abalada  sob efeito do coquetel de remédios que tomou para evitar doenças sexualmente transmissíveis. 

"Somos criadas por mãe solteira e isso faz com que sejamos bem fortes, porque crescemos vendo nossa mãe lutar muito. Então ela está tentando permanecer muito forte, porque sempre teve muita dificuldade de colocar pra fora o que sente. Com o tempo que realmente vamos conseguir ver as sequelas. Mas agora ela está com ódio e nojo do homem que a estuprou", diz a irmã da jovem violentada.

Conforme a comerciante, o criminoso chegou a dizer para a irmã que já havia estuprado outra menina. "Isso fez com que minha irmã ficasse ainda pior. Fora que os medicamentos mexeram muito com o organismo dela. Ela vomita muito e está com dificuldade de dormir de noite. Vemos acontecendo com tantas mulheres e nunca pensamos que pode ser tão perto de nós".