Brasil

Penhorado pela Justiça, avião da Avianca é impedido de levantar voo

A empresa também vai fechar suas bases em Belém e Petrolina e cancelar mais voos em outras cidades

Agência O Globo
Um avião da Avianca que seguia de Brasília para Congonhas, em São Paulo, foi impedido de decolar na noite dessa quinta-feira (04/04) porque o aparelho foi penhorado pela Justiça. Passageiros e tripulantes chegaram a embarcar, ficaram por uma hora e dez minutos dentro da aeronave, mas foram retirados por oficiais de Justiça, segundo informações do G1.

No fim de março, a aérea informou que vai cancelar suas operações no Galeão, no Rio, a partir deste mês. A empresa também vai fechar suas bases em Belém e Petrolina e cancelar mais voos em outras cidades.
Nesta sexta-feira, a Avianca Brasil, que está em recuperação judicial desde dezembro de 2018, volta à mesa de negociação com credores para discutir o plano de recuperação judicial da empresa. Será a segunda tentativa de votar o plano - a primeira, na semana passada, foi suspensa por falta de quórum.
O confisco do avião partiu de uma decisão liminar que atendia a um pedido dos credores da companhia. De acordo com o G1, a Avianca, quarta maior companhia aérea do país, conseguiu reverter a liminar, mas não dava mais tempo, pois os oficiais de Justiça já tinham ido ao aeroporto de Brasília para cumprir a sentença inicial.
Em nota, a empresa disse que "tomou as medidas necessárias, que os passageiros impactados estão sendo atendidos e que segue operando normalmente".
O voo, que estava marcado para sair às 19h, foi remarcado uma primeira vez para as 22h30m e, depois, para 0h30m da madrugada, deixando Brasília na madrugada desta sexta-feira. Como o aeroporto de Congonhas fecha antes do horário programado para o voo, a rota foi alterada para o aeroporto de Guarulhos. O pouso ocorreu a 1h18m desta sexta-feira.