Brasil

Pesquisa mostra que 52% dos brasileiros querem novas eleições em outubro

O levantamento aponta também que apenas 16% dos entrevistados defendem que Temer permaneça no cargo até o final de 2018

Agência O Globo
- Atualizada em

Para 38% dos brasileiros, o presidente interno Michel Temer deveria convocar novas eleições para outubro deste ano. Para outros 14%, a presidente Dilma deve voltar ao posto e convocar as novas eleições. Assim, no total, 52% defendem a medida. É o que mostra uma pesquisa divulgada nesta terça-feira pelo instituto Ipsos, realizada em 72 cidades do país. O levantamento aponta também que apenas 16% dos entrevistados defendem que Temer permaneça no cargo até o final de 2018. Apenas 20% dos consultados querem a volta de Dilma Rousseff, para que ela conclua o mandato.


A divulgação da Ipsos ocorre pouco mais de uma semana após a polêmica pesquisa do Datafolha, que apontou que 50% dos brasileiros defendem a permanência de Temer na presidência. O levantamento foi duramente criticado, inclusive pela onbudsman da própria Folha, depois que o site “The Intercept” mostrou que não foi feita a pergunta sobre novas eleições durante a consulta pública. O novo levantamento também surge na véspera do fim do prazo para a entrega das alegações finais da presidente Dilma à Comissão do Impeachment no Senado Federal.


“O desejo de novas eleições vem sendo apontado pelo Pulso Brasil há alguns meses. Isso é reflexo dos altos índices de desaprovação tanto de Dilma Rousseff quanto de Michel Temer, que ainda não conseguiu associar sua gestão a soluções dos principais problemas que afligem o brasileiro, como o combate à inflação e ao desemprego. Além disso, há um descontentamento generalizado com a classe política, e novas eleições trazem a percepção de que novos nomes podem surgir como alternativa”, afirmou, em nota, Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos Public Affairs e responsável pelo Pulso Brasil.


Os percentuais mostrados no levantamento se referem às alternativas apresentadas como resposta à pergunta “O que é melhor para o Brasil?”.


A pesquisa, que faz parte do estudo mensal Pulso Brasil realizado pela Ipsos desde 2005 no Brasil, registrou aumento na reprovação da gestão do presidente interino. A avaliação dos que julgam a administração de Temer “ruim ou péssima” variou de 43% em junho para 48% em julho. O percentual dos que acham o governo “regular” ficou estável em 29% e a dos que julgam a gestão “ótimo ou boa” subiu 1 ponto percentual, para 7%.