Brasil

Polícia busca por três homens que participaram do assassinato de Daniel Corrêa

Investigação aponta que empresário que confessou o crime, Edson Brittes, não agiu sozinho

Agência O Globo
- Atualizada em

A polícia vai expedir mandados de prisão para buscar por outros três homens que teriam auxiliado Edson Brittes a matar o jogador de futebol Daniel Corrêa. Brittes foi preso na manhã desta quinta-feira e confessou o crime. O delegado titular da 1ª Delegacia Regional de São José dos Pinhais, Amadeu Trevisan, informou durante entrevista coletiva no início desta tarde que todas as pessoas que estavam na residência onde o atleta ficou antes de ser morto serão identificadas e devem prestar depoimento sobre o caso.

Apesar de mensagens trocadas pelo jogador com um grupo amigos antes do homicídio — nas quais Daniel compartilha fotos deitado ao lado da esposa de Edson — o delegado afirma que ainda não é possível confirmar se houve tentativa de estupro por parte do jogador, como alega a defesa do autor do crime.

— A mulher ainda será ouvida. Pela foto, ela está desacordada, mas não é possível afirmar com certeza se ele tentou algo contra ela. Nesse momento, o que as mensagens indicam é a imaturidade da vítima. Sabemos que quando uma mensagem como essa está na rede, você perde o controle do alcance dela — disse Trevisan.

A mulher de Edson, Cristina, e a filha de 18 anos, Alana, estão em prisão temporária que pode durar até 30 dias. Segundo a investigação, é preciso esclarecer se as duas têm ou não alguma responsabilidade pela morte de Daniel.

O delegado desmentiu a versão da defesa de que Daniel não teria sido convidado pela filha de Edson para a festa de aniversário da jovem. Segundo Trevisan, Daniel já havia inclusive participado da festa de 17 anos da jovem no ano passado.

O Corpo de Bombeiros deve inciar buscas para tentar localizar a faca utilizada no crime que, segundo o autor, foi jogada em um riacho próximo ao local em que o corpo da vítima foi encontrado. Até o fim desta quinta-feira, uma equipe de Perícia estará na casa da família. O carro de Edson, no qual Daniel foi levado para a região de mata onde foi assassinado, também foi apreendido.

Trevisan ressaltou ainda que independente do que foi feito ou não por Daniel, a resposta do autor do crime foi "totalmente desproporcional":

— É necessário entender que mesmo que tenha ocorrido uma tentativa de estupro, houve um exagero por parte do autor. Ele jamais poderia ter tirado a vida de alguém, fazer o que fez.