Brasil

Prova de vida para aposentados e pensionistas do INSS terá que ser agendada

Pelas regras antigas, o beneficiário recebia um aviso

Stephanie Tondo, da Agência O Globo

A medida provisória do pente-fino estabelece algumas mudanças na prova de vida dos beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Segundo o texto, aposentados e pensionistas acima dos 60 anos terão que agendar antes de fazer a atualização cadastral. Pelas regras antigas, o beneficiário recebia um aviso na tela do terminal de autoatendimento da instituição financeira e se dirigia à agência bancária sem hora marcada para fazer o recadastramento.

Além disso, a Medida Provisória 871 estabelece que a prova de vida seja feita na residência dos segurados acima de 80 anos. Antes, essa pesquisa externa era feita apenas para pessoas com dificuldade de locomoção.

As alterações ainda têm que ser regulamentadas pelo INSS. Mas o instituto informou que as questões “ainda estão em análise pelo presidente em conjunto com área técnica e, tão logo seja assinado, o ato será publicado no DOU (Diário Oficial da União)”.

Outra questão estabelecida pela MP que ainda não foi regulamentada é o Programa de Revisão, que abrangerá os benefícios por incapacidade mantidos sem perícia pelo INSS por período superior a seis meses, como auxílio-doença e aposentadoria por invalidez, além dos benefícios de prestação continuada (BPC-LOAS) sem revisão por período superior a dois anos.

As regras para as perícias devem ser definidas por um ato da Secretaria de Previdência do Ministério da Economia, mas a pasta informou que ainda não há data definida para a publicação.

O problema é que a MP tem prazo de 60 dias, prorrogáveis por mais 60.Segundo João Badari, especialista em Direito Previdenciário da Aith, Badari e Luchin Advogados, a medida já tem força de lei, mas se não for aprovada pelo Congresso dentro dos 120 dias, perde sua validade.

— No caso dos pontos que exigem regulamentação do INSS ou da Previdência, é preciso que esses órgãos editem as regras para que elas passem a valer.

Assim, caso esses pontos demorem para ser regulamentados, é possível que não entrem em vigor antes da medida provisória virar lei — ou perder a validade.

Há ainda duas mudanças da MP 871 que não entram em vigor imediatamente. O requerimento da pensão por morte por pessoa menor de 16 anos, que passou a ter prazo de 180 dias, terá vigência em 120 dias da data da publicação, que é o tempo máximo de duração da MP. Já a autorização do requerente do BPC/LOAS para que a autarquia previdenciária tenha acesso aos seus dados bancários tem vigência em 90 dias.