Brasil

Sindicância irá apurar acidente com lancha da segurança de Dilma

Lancha bateu na lateral de uma canoa por volta de 16h30 de sábado (29)

Da Redação


A Capitania dos Portos da Bahia (CPBA) informa em nota que será instaurada uma sindicância para apurar as possíveis causas do acidente envolvendo uma lancha da Marinha na praia de Inema, na Base Naval de Aratu, onde está hospedada, desde sexta-feira (28), a presidente Dilma Rousseff. O barco realizava a segurança no mar para evitar a aproximação de curiosos.


A lancha “Valença” bateu na lateral de uma canoa, denominada “Na mira”, que realizava o transporte de passageiros entre São Thomé de Paripe, no Subúrbio Ferroviário de Salvador, e a Ilha de Maré, por volta de 16h30 de sábado (29).


Dos cinco passageiros da canoa, três caíram na água e foram recolhidos pela tripulação da lancha. A  embarcação de pequeno porte sofreu avarias leves e foi rebocada para a Base Naval de Aratu, por uma embarcação da Marinha do Brasil. Ninguém ficou ferido.


Desde que chegou à Bahia, na última sexta (28), para o recesso de fim de ano, a presidente permanece descansando na companhia de familiares  Dilma passou o último réveillon e o Carnaval deste ano na base e, nessas ocasiões, não costuma receber visitas ou despachar com autoridades.

Presidente (de vestido verde, embaixo do toldo) foi discreta no último reveillon

Ainda não há previsão sobre a data de retorno de Dilma a Brasília, de acordo com a assessoria de imprensa da presidência. A base de Aratu costuma ser o local escolhido por Dilma para passar os períodos de descanso por ser uma praia privada sob comando da Marinha.


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também esteve lá em períodos de recesso.Na manhã de sexta, antes de embarcar para a Base Naval de Aratu, a presidente esteve no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para exames de rotina. Em nota, a presidência informou que os resultados dos exames estão dentro da normalidade.Matéria original: Correio 24 horas

Sindicância irá apurar acidente com lancha da segurança de Dilma