Brasil

STJ manda prender desembargadoras da Bahia; secretário de segurança da BA também é alvo

Operação Faroeste cumpre mandados de busca e apreensão em Salvador, Barreiras, Catu, Uibaí e em Brasília (DF)

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Duas desembargadoras do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) foram alvos de mandados de prisão temporária da operação Faroeste, deflagrada pela polícia Federal, nesta segunda-feira (14). A ação investiga um suposto esquema criminoso de venda de sentenças judiciais. As informações são da TV Bahia.

De acordo com apuração da TV Bahia, um dos alvos da operação é o secretário de Segurança Pública do estado (SSP-BA), Maurício Barbosa. Ele foi afastado do cargo por um ano.

De acordo com a polícia, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) afastou do cargo e da função de todos os servidores públicos envolvidos nas da Operação Faroeste que está nas fases 6ª e 7ª.

A investigação indica uma esquema de vendas de decisões judiciais por juízes e desembargadores da Bahia. A suspeita é que os servidores operavam com a participação de membros de outros poderes.

Os mandados de prisão temporária foram expedidos pelo ministro do STJ, ministro Og Fernandes, após pedido da subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo. Os nomes das desembargadoras não foram divulgados até o momento.

Nesta segunda-feira (14), estão sendo cumpridos 36 mandados de busca e apreensão nas cidades de Salvador (BA), Barreiras (BA), Catu (BA), Uibaí (BA) e Brasília (DF).

Em nota enviada à imprensa, o governo da Bahia declarou que irá cumprir a decisão judicial  e que irá aguardar as informações oficiais do processo em curso para tomar as medidas cabíveis.

O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) não se pronunciou sobre os juízes que são alvos da ação, nem quais serão as medidas tomadas pelo órgão. Em nota enviada a imprensa, o TJ-BA reiterou e ratificou o total apoio às instituições competentes para o processo de investigação conduzido pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal.