Brasil

Transexual 'crucificada' em Parada Gay é esfaqueada em São Paulo

Viviany Beleboni declarou que não irá fazer nenhum boletim de ocorrência para não ser 'tratada como homem' na delegacia

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

A atriz Viviany Beleboni, que realizou a performance da crucificação na Parada do Orgulho LGBT deste ano, postou um vídeo em seu perfil do Facebook, onde mostra as marcas da agressão que sofreu neste sábado (08). Ela afirmou que, após ter sido abordada e reconhecida por uma pessoa próximo à sua casa, teria sido agredida pelo desconhecido com socos e com um canivete.

Ainda segundo o depoimento da atriz, o agressor afirmava que ela "não era de Deus" e que era um demônio, portanto teria que "pagar pelo que fez". No vídeo, Viviany conta sobre a violência sofrida e mostra os hematomas e cortes no rosto e corpo.A atriz transexual sofreu duras críticas após a sua performance na Parada do Orgulho LGBT de 2015 em São Paulo e afirma sofrer perseguição e intimidação virtual por parte de fundamentalistas religiosos. Deputados como Marco Feliciano e outros da bancada evangélica, manifestaram desaprovar os protestos da moça contra transfobia e homofobia. O líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso (DF), também apresentou um projeto que tornava crime hediondo o “ultraje a culto”, e chamou de “cristofobia” manifestações que envolvesse símbolos religiosos.

Segundo grupos que apoiam o movimento LGBT, as acusações partiriam de pensamentos de intolerância transfóbica já que outras pessoas - como Madona, Neymar e Marcelo D2 - também se utilizaram do modelo da crucificação e não sofreram as mesmas críticas.Viviany declarou que não irá fazer nenhum boletim de ocorrência para não ser “tratada como homem” na delegacia. Ela fechou a sua conta no Facebook e concluiu que é melhor ficar na segurança de sua casa. Se referindo à sua performance na Parada, a atriz termina a gravação com a seguinte frase: "O meu ato foi de amor, foi pra alertar pessoas que nem eu, que estão sangrando". Confira o vídeo da denúncia: