Brasil

Turista morto em Paraty cogitou deixar casa alugada dias antes do crime

O crime aconteceu na madrugada dessa quinta-feira. Edson Santos, de 35 anos, foi preso em flagrante por policiais militares

Agência O Globo

O turista lituano Adam Zindul, de 37 anos, cogitou deixar a casa onde foi morto, na Praia do Sono, em Paraty, dois dias antes do crime. O estrangeiro e sua mulher, uma paulistana de 35 anos que foi estuprada pelo mesmo criminoso, reclamaram com familiares da proprietária do imóvel sobre a grande quantidade de mosquitos no local e chegaram a pensar em deixar a casa. Eles, no entanto, acabaram mudando de ideia. A dona da residência é uma brasileira que mora atualmente no Canadá.

Foto: Reprodução
O crime aconteceu na madrugada dessa quinta-feira. Edson Santos, de 35 anos, foi preso em flagrante por policiais militares. Levado para a 167ª DP (Paraty), ele foi autuado pelos crimes de homicídio, tentativa de feminicídio e estupro. O homem, morador do bairro do Pantanal, em Paraty, foi reconhecido pela mulher do turista. À polícia, ela relatou que já vinha sendo assediada por ele Edson cerca de dois dias. O homem fazia serviço de capinagem na casa, que foi alugada pelo casal. Em depoimento, Edson negou ter cometido o crime.

De acordo com as investigações, a mulher de Zindul havia acabado de sair do banho e estendia a toalha em um varal quando foi rendida por Edson, armado com uma faca. O bandido encostou a arma no pescoço dela e a obrigou a entrar na casa. Em seguida, mandou que ela amarrasse o próprio marido para estuprá-la. Adam só foi morto após a violência sexual. Após a fuga do bandido, moradores chamaram policiais do 33º BPM (Angra dos Reis), que encontraram o corpo do lituano, com pés e mãos amarrados, numa cadeira. Na cabeça havia um saco plástico.

O turista lituano e a mulher chegaram ao Brasil no último dia 28. Eles estavam em Paraty há quatro dias. A casa alugada por eles fica na Praia do Sono, a 27km do Centro do Paraty. Só é possível ter acesso ao local por uma trilha ou de barco.