Brasil

Veja as ameaças que levaram Jean Wyllys a sair do Brasil: 'vou estuprar sua mãe'

O GLOBO teve acesso às mensagens encaminhadas ao deputado federal nos últimos três anos que o motivaram a não tomar posse e a deixar o Brasil

Bela Megale, Patrik Camporez e João Paulo Saconi, da Agência O Globo

"Vou te matar com explosivos", "já pensou em ver seus familiares estuprados e sem cabeça?", "vou quebrar seu pescoço", "aquelas câmeras de segurança que você colocou não fazem diferença". Nos últimos dois anos, o deputado Jean Wyllys  (PSOL-RJ) viveu uma rotina semanal de ameaças de morte.

Foto: Divulgação
Disparadas pelas redes sociais, no e-mail e telefone do gabinete em Brasília, ou no e-mail pessoal do próprio deputado, os textos levaram a Polícia Federal a abrir cinco investigações sobre as ameaças e obrigaram o deputado a andar com escolta policial desde março do ano passado. Ele era acompanhado o tempo todo por três agentes e transportado com o suporte de dois carros blindados.

O GLOBO teve acesso nesta sexta-feira ao conteúdo de dezenas de ameaças contra Wyllys. Marcadas por declarações de ódio e de preconceito, elas se avolumaram ao ponto de fazer o parlamentar desistir de assumir o terceiro mandato como deputado federal, para o qual havia sido eleito em outubro passado com pouco mais de 24 mil votos.

Na tarde de ontem, por volta das 14h30, Wyllys pegou até mesmo os assessores do seu gabinete de Brasília de surpresa ao anunciar a decisão de renunciar ao mandato e se mudar para o exterior. O clima de luto tomou conta do local.

  — A gente notava que ele estava preocupado com o resultado das eleições, mas só isso. Não achamos que chegaria a tanto — disse um dos assistentes sobre a última vinda de Wyllys a Brasília, no início do mês.

Desde o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), em março, Wyllys pouco saía de casa e limitava sua vida a compromissos de trabalho. O endereço onde mora, no Rio, era tratado como um segredo e compartilhado apenas com poucos amigos e familiares mais próximos. Segundo assessores, a campanha para se reeleger em 2018 foi feita basicamente via redes sociais, sem agendas de Wyllys na rua.


A renúncia do deputado repercutiu rapidamente nas redes sociais e nos portais de notícias, mas não livrou o parlamentar das mensagens de seus algozes. Por volta de 16h45 de quinta, duas horas depois da entrevista concedida por ele ser publicada, um novo e-mail, enviado de um endereço apócrifo chegou aos assessores do deputado.

"Nossa dívida está paga. Não vamos mais atrás de você e sua família, como prometido. Mesmo após quase dois anos, estamos aqui atrás de você e a polícia não pôde fazer para nos parar".

Esse foi apenas o desfecho de um longo período de "terrorismo psicológico", como definiu o parlamentar. Em novembro do ano passado, Wyllys afirmou ao GLOBO que "a campanha de fake news montada pelos inimigos da democracia que agora chegam ao poder (sobretudo a mentira do inexistente “kit gay”)” o transformaram "num pária para os eleitores desse maldito”, referindo-se a Bolsonaro. Disse ainda que esses grupos invadiam diariamente suas redes “com dezenas de milhares de xingamentos e ameaças, e colocou minha vida em risco em quase todos os lugares do Brasil".

Ameaças a familiares
Apesar de ter recebido ameaças desde que assumiu seu primeiro mandato, em 2011, foi em dezembro de 2016 que o deputado se deparou com uma uma das mensagens que mais o assustou. Em um longo e-mail que o chamava de “bixona”, o autor afirmou:

"Você pode ser protegido, mas a sua família não. Já pensou em ver seus familiares estuprados e sem cabeça?"

Poucos dias depois, o mesmo remetente enviou  para o e-mail de Wyllys e de seus irmãos dados como endereços de todos, placa de carros o deputado já teve entre outras informações que mostravam conhecimento sobre a família. Essa ameaça foi uma das que baseou a abertura de uma das investigações pela PF.

Segundo um assessor da equipe de Jean, o endereço de IP do dispositivo do qual partiram essas mensagens remetiam ao exterior, uma delas à Califórnia. A constatação, que teria sido feita em investigação da própria PF, levou a equipe dele a considerar como alto o nível de qualificação e de conhecimento tecnológico dos autores.

Explosivos
No mês seguinte, o deputado recebeu de outro autor uma nova leva de intimidações. Neste caso, o remetente detalhou como elaborar explosivos, mostrando conhecimento sobre o assunto.

"Eu vou espalhar 500 quilos de explosivo triperóxido de triacetona, explosivo tão perigoso e potente que é chamado de mãe de Satan pelos terroristas do Estado Islâmico. [...] Se vocês duvidam que tenho capacidade para fazer isto, apenas vejam como é fácil produzir o explosivo".

Em 15 de março de 2017, um e-mail foi encaminhado ao deputado contendo vários de seus dados pessoais, como endereço, placas de seu veículo e nomes de seus familiares.

“Vamos sequestrar a sua mãe, estuprá-la, e vamos desmembrá-la em vários pedaços que vamos te enviar pelo Correio pelos próximos meses. Matar você seria um presente, pois aliviaria a sua existência tão medíocre. Por isso vamos pegar sua mãe, aí você vai sofrer”.

Escritório desocupado

Um dos assessores de Jean no Rio de Janeiro, Rodrigo Veloso, de 26 anos, conta que o escritório ocupado pela equipe na Lapa, região central da cidade, foi desocupado sob recomendação do Departamento de Polícia Legislativa da Câmara (Depol), responsável pela proteção concedida por decisão do presidente da Casa, Rodrigo Maia (MDB-RJ).

— Saímos do local em dezembro. Era lá que o Jean trabalhava quando estava no Rio, para além das agendas públicas e também do descanso em casa. A ideia era trocarmos de endereço, mas o anúncio dele fez com que isso caísse por terra — relata Veloso, uma das seis pessoas que trabalhavam diariamente no espaço.

Para se manterem protegidos das ameaças, os funcionários combinavam os melhores horários para deixar o prédio e costumavam ficar atentos ao circuito de câmeras que vigiava o conjunto de três salas. Além disso, um dos integrantes da assessoria acompanhava Jean até a programas de lazer, como peças de teatro. Ele era acompanhado também quando chegava a aeroportos, momento em que costumava a receber mais insultos da população.

Missa de Sétimo Dia
Em 20 de março de 2018, em meio ao ato ecumênico que marcou o sétimo dia do assassinato de Marielle Franco, Jean recebeu uma ameaça por e-mail enquanto estava na Cinelândia, no Centro do Rio, demonstrando apoio aos protestos que pediam eficiência nas investigações sobre a morte da vereadora.

— A mensagem dizia que sabiam exatamente onde ele estava e que ele deveria tomar cuidado porque seria o próximo — afirma Rodrigo Veloso, confirmando a informação anteriormente mencionada por outro assessor que preferiu não se identificar.

Pedido a OEA

Em outubro do ano passado, Wyllys enviou um pedido de medida cautelar à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA) relatando as ameaças que sofria e a falta de medidas protetivas do Estado brasileiro.

“Wyllys, hoje, está sendo compelido a viver quase que sem sair de sua residência, limitando seus compromissos ao estritamente necessário no campo profissional. Não tem levado vida normal, saudável ou tranquila. Vive aos sobressaltos, por si mesmo e por sua família. Suas dificuldades são enormes e algumas intransponíveis, desde o ato simples de pedir uma pizza e ter que divulgar seu endereço até receber amigos em casa”, diz o documento. Apesar da manifestação da Comissão à favor do deputado, nada foi feito, segundo os advogados que o representam.